OSLO - ATÉ TALVEZ...ATÉ QUEM SABE???

11/09/2019

Às 22h59 pontualmente o trem saiu de Bergen com destino a Oslo. Sete horas e 15 minutos de viagem. Tempo suficiente para dormir, sentada e com a luz acesa o tempo todo. Mas eles são generosos. O trem não vai cheio e eles colocam as pessoas na janela e sozinhas, de modo que podem se acomodar melhor. Eu não caibo em dois bancos, quem dirá em um, mas consegui por as pernas pra cima um pouco. E meu pescoço ficou muito mal acomodado, mas tirei muitos cochilos.

A Elizabeth estava em outro vagão. No meu, quando fui ao banheiro, vi que todo mundo dormia, em posições variadas. Ela disse que no dela, alguns jovens deitaram até no chão. O trem para em inúmeras estações, mas vi poucas. E o fiscal passou logo que iniciou a viagem, assim deixa o povo dormir sossegado.

Quando chegamos a Oslo, o primeiro objetivo era tomar café da manhã, achar o armário para a bagagem, e depois o banheiro. O café pegamos uma baguete com queijo e salame, aquecido, eu um café com leite, ela um café.  O 'locker' é muito fácil de achar e de operar a contratação, custa 3 euros por dia. e você escolhe o tamanho do compartimento com base em umas caixas que eles deixam disponíveis para você ver a que melhor acomoda sua bagagem. E paga com cartão. O banheiro a gente já tinha usado antes e custa 2 euros. Mas aproveitamos muito bem, kkkk

Depois fomos para a rua. A Elisabeth tinha sugerido o parque onde tem a ponte onde o Munch pintou O Grito. Mas era longe. A Iraildes me deu um cartão para uso no trem e comentou que ele demorava uma hora no percurso. Apesar de termos chegado cedo na Estação Central, umas 11 horas teríamos que nos direcionar para o aeroporto. O voo estava previsto para 15h15. Então decidi fazer uma fortaleza que estava em minha programação e tinha esquecido no primeiro dia. A Fortaleza de Arkesus.

Logo que saímos da estação a Elisabeth me pediu para tirar uma foto junto ao tigre muito disputado pelos turistas, mas naquele horário, com frio, estava abandonado e pudemos fazer a foto em paz. A cidade de Oslo é conhecida como cidade do tigre, e parece fazer referência a ferocidade da cidade em comparação com o mundo rural, representado por um cavalo, na luta entre os dois animais no poema de Sidste Sang.

O caminho foi nos apresentando outras belezas e nesta ocasião percorremos ruas de outro lado da cidade que já nos era mais familiar.

A Fortaleza é bem grande e abriga museus, universidades, castelo, igreja, e relativamente moderna se comparada às fortalezas do Velho Mundo, data de 1744.

Ficamos admiradas com o cuidado com os jardins e a vista do mar, os canhões e as grossas portas e muralhas.

Foi o tempo certinho de fazer este passeio e despedir-nos de Oslo. Cidade encantadora. Noruega, obrigada por nos receber.

Chegando a Helsinque comuniquei-me com a Iraildes, que ficou em Bergen e foi fazer um passeio nos fiordes. Lá choveu o dia todo. Aqui chovia quando chegamos, e o céu estava muito nublado. Mas amanhã fará sol. Eu creio.