es-Uma questão de Atitude!

01.11.2017

Nessa minha nova vida de caminhante... E cabe ressaltar que até vendi o carro, pois não me será útil nos próximos ano e meio, observo coisas que como motorista não percebo, por exemplo, falta de calçadas em lugares importantes, calçadas quebradas, degraus inadequados entre uma propriedade e outra, lixo, outros caminhantes, moradores de rua, enfim, toda sorte de coisas que, dentro do carro parecem insignificantes. É claro que os motoristas têm outras preocupações, como ausência de placas, buracos nas vias pavimentadas, vias não pavimentadas, semáforos, pedestres, e todas as engenhocas que têm que ser movimentadas ao mesmo tempo, sem deixar de prestar a atenção no mundo que o cerca. Assim também o é com os passageiros dos transportes coletivos, que perdem significativo tempo de suas vidas a espera dos mesmos, às vezes sob sol escaldante, ou chuva torrencial. 

Ao trazer essas observações à tona, chego à razão de minha abordagem e de que forma ela influencia na vida e viagem dos mochileiros.

A questão é a "empatia". Que diferença isso faz? 

Já estive em muitos lugares, até alguns famosos por maltratar os turistas, mas percebo que esta é uma via de mão dupla. Ao nos colocarmos no lugar do outro, e seguirmos aquele velho conselho, tão difícil de executar: trate como gostaria de ser tratado, é nítida a mudança de atitude. 

O mochileiro é um turista bastante vulnerável, pois possui pequena ou quase nenhuma estrutura de apoio. Assim sendo, é um indivíduo com extrema necessidade do outro. Então, empatia. Ajude, socorra, sorria, se esforce para fazer-se entender, conheça frases básicas do idioma do povo que habita os lugares a serem visitados. Transpire alegria. Não perca o bom humor. 

Tente transitar entre os olhares, uma hora sendo pedestre, outra motorista, e por vezes passageiro. Na vida, assumimos vários papéis. Se o fizermos com ternura, obteremos diferentes e melhores resultados. E se tiver que endurecer, que seja como "Che Guevara": Hay de endurecerse, pero sin perder la ternura jamás. 

Atitude certa e boa viagem!