es-Domingo à tarde - A Descoberta - PoA

20.03.2018

Alguém me perguntou:

_ "Do que você foge?" , e eu:

_ "Ou o que busco?"

Essa jornada começou sem muita clareza, para alguns estou me procurando, para outros, fugindo de mim mesma, outros ainda não chegaram a uma conclusão, acham que sou louca varrida. Mas, eu mesma tenho dúvidas. Ou tinha.

Pensei que buscava um objetivo, e não deixa de ser. Um desafio, e também o é. Queria mostrar que é possível, e está sendo.

Mas, ao entrar naquela igreja, buscando refugio, primeiro encontrei o vazio.

Pessoas chegando para 'cumprir' uma obrigação dominical. E no imenso Santuário Santo Antônio do Pão dos Pobres, cada pessoa ocupava um banco diferente, cumprimentando os conhecidos friamente, de longe. Reunidos, só uma família que veio homenagear seu morto de sete dias.

Mas depois, a palavra se fez ouvir, e já na acolhida diz que somos motivados a sair pelas ruas e encruzilhadas e convidar todos os que forem encontrados.

Na casa do Senhor habitarei eternamente, ele me guia no caminho mais seguro, pela honra de seu nome. Mesmo que eu passe pelo Vale tenebroso, nenhum mal eu temerei; estais comigo, com bastão e com cajado; eles me dão segurança!

E no Evangelho, Jesus ensinou que o reino dos céus e como um banquete de casamento. Todos são convidados, mas muitos não atendem ao convite. E muitos não estão trajados adequadamente. Ao que o padre explica na homilia, que o traje e a fé.

Neste momento entendo o que me disse o terapeuta alternativo, Sr.Daniel, Que tenho um embate com Deus. Desacreditei na hora. Mas agora vejo que sim. Minha fé e tão grande. Todas as minhas provações entendi como misericórdia divina, preparação, destino. Se em algum momento surgia a dúvida, logo era dissipada por uma situação em que o reflexo positivo se deixava ver, esclarecendo a caminhada.

Mas Senhor, se me proteges, se sou do bem e uma filha fiel, se pensas em mim e sou por ti iluminada, poderei lançar um desafio, vivendo uma situação tida como perigosa para muitos, e vencerei. Mostrando ao mundo e a mim mesma como estou certa ao confiar.

E o Senhor colocou em minha boca as palavras de cumprimento.

Fez-me entender que também temo, que tenho de ser precavida, mas minha fé é e será recompensada.

Na saída da igreja, confirmo uma vez mais que a igreja é o povo de Deus, com Ele no coração. Aquelas pessoas que ali estiveram, não tem tempo nem coragem para cumprimentar um irmão. E alguns pedintes estavam à porta. Mas, o Pão dos Pobres será só no dia de Santo Antônio. Que pena. O medo é um sentimento pavoroso.

Mas a precaução me fez chamar um UBER, que me levou ate o Parque Júlio de Mesquita, junto a Usina do Gasômetro, espaço cultural que aliás, esta fechado para visitação há mais de dois anos.

Não estava tão longe do hostel, segui pela Rua Riachuelo, desci na rua do Shopping Rua da Praia, comprei outros quitutes para o almoço no supermercado Zaffari por , e dirigi-me a Praça de Alimentação do shopping para comer.

Voltei ao hostel com a cabeça fervilhando de 'causos' para contar. Sem Wi-Fi ainda, e com o notebook com problemas para ligar (coitado, eh velhinho, mas esta quebrando um galho), escrevi em meu caderno de anotações sete folhas corridas em pouquíssimo tempo.

A Valquíria me chamou para passear de carro com sua filha, uma amiguinha dela e a mãe da mesma. Iriam ao Júlio de Mesquita, mas como me manifestei, resolveram me levar conhecer a praia de Ipanema, a 'praia' dos gaúchos, a beira do Guaíba. Atravessamos toda a cidade, indo do centro a zona Sul. Paramos para uma foto externa da Fundação Iberê Camargo, passamos por uma feira itinerante denominada 'me gusta', a qual eles voltariam mais tarde,  e chegamos enfim a Ipanema.

Muita gente pelas calçadas, bonita. Muitos carros, muitas rodas de chimarrão. Algumas barracas de churros, uma feira alternativa com ingresso gratuito, numa área verde agradável. As crianças estavam com fome. A Nice comprou para a Isa dois pequenos cachorros quentes nessa feira por R$ 1,50 cada. A Morena não come salsicha. Eu comprei um pedaço de bolo 'nega maluca' por R$ 3,00, para meu jantar.

 Mais adiante um espaço vendendo crepe por R$ 12,00 o duplo, mas vem na verdade, com 4 unidades. Comeram a Morena, a Val e a Isa, tomando um guaraná.

A Val queria mesmo um pastel, então fomos em busca do mesmo, e as três adultas compraram, um de carne, um de frango e o meu de queijo. A R$ 5,00 cada.

Ali vi uma estatua de um orixá, embaixo algumas oferendas. Descobri que o Rio Grande do Sul é o segundo estado umbandista do Brasil, tendo o maior número de terreiros.

Sentamo-nos na calçada, a beira da praia enquanto as crianças brincavam a beira do rio, que não dá banho, pois a água é poluída, mas que reserva uma bela paisagem e um fantástico sol poente.

Gratidão Valquíria, pela tarde maravilhosa!

Retornamos ao cair da tarde para o hostel, fiquei conversando com a Juliana, tomei meu banho, comi meu bolo, vi minhas mensagens. Estava no quarto uma nova hospede amiga da Gleice, a Geice. Mas não são irmãs. Conversamos com ela enquanto a Gleice não chegava. Depois ambas se arrumaram para sair.

Quando a Val voltou da feira 'me gusta', subiu com três copos e um litro de suco de uva, e ficamos conversando. Sobre a criação dos filhos, as coisas do mundo, amor e traição, não só dos relacionamentos conjugais, mas em todas as relações humanas, sobre gratidão e perdão, e sobre o amor ágape, que a Juliana explicou ser uma forma sublime de amor. Não conhecia o termo, mas acho que é o que busco.

A Val chamou de amor egípcio, confundindo-se, ao que demos muitas risadas. Conversamos tanto que, as outras hóspedes voltaram, e precisávamos terminar o assunto, pois, no dia seguinte, segunda, era dia de atividades para todas nós.

Concluímos sem concordância quanto ao perdão e a gratidão, porém com o entendimento sobre o amor, que é necessário oferecer a todos, mas se for machucado por alguém, não se deixar machucar de novo, mas não lhe desejar o mal. Querer sim o seu crescimento contínuo. Ou pelo menos foi isso que concluí.

Foi uma conversa enriquecedora, deu vontade de não parar mais. Espero manter essas amizades, tão ricas e preciosas. Mulheres fortes, com historias de vida diferentes, mas que representam uma nova mulher. Independente, humana, capaz, lutadora. Foi um imenso prazer.

E mais uma vez se confirma-se o objetivo de minha jornada.

E para quem se interessar em saber mais sobre o amor Ágape, Philos ou Eros...

https://estiloadoracao.com/o-que-significa-amor-agape-philos-eros/