es-Dinheiro e Cartão

27.12.2017

Qual a melhor opção?

Lógico que o a primeira pergunta é, disponho de algum deles? Se não, tudo bem também, você pode encontrar outros meios de fazer sua viagem.

No caso dos cartões, se você for para o exterior, obrigatoriamente tem que ser um cartão internacional e deve ser habilitado para uso no exterior junto ao emissor do mesmo (eu uso as bandeiras VISA e MASTERCARD). Às vezes será necessário definir até o prazo de utilização; trata-se de medida de segurança, pois principalmente aqui na América do Sul, acontece muita clonagem de cartões. Não entregue seu cartão ao receptor, coloque você mesmo na máquina da operadora e mantenha-o sob vigilância. E tenha a mão o telefone para solicitação de bloqueio, em caso de perda ou roubo. A inconveniência vem do IOF e da conversão da fatura em dólares, sujeitando às variações do mesmo no pagmento da fatura. A conveniência é da segurança, principalmente se vai gastar um pouco mais, e para não portar muito dinheiro.

Existem também os cartões pré-pagos, recarregáveis, os Travel Cards, que evitam as surpresas do câmbio e limitam seus gastos à sua disponibilidade financeira. Podem ser adquiridos nas instituições bancárias.

O dinheiro? Leve dólares, principalmente para o Sul da América. E não cambie todo seu dinheiro pela moeda do país a ser visitado. Boa parte dos estabelecimentos aceita os dólares, com valor de câmbio mais vantajoso.

Ou vá sem nada disso, venda serviços, aceite ajuda, seja simpático, mas vá. Muitos são os depoimentos de viajantes que chegaram aos seus destinos com pouco ou nenhum dinheiro. Na mochila, só fé, coragem e muita vontade de chegar lá.

P.S. Não fique fazendo conta de conversão de valores de cada produto. Faça a conta do valor que pode gastar por dia em reais e faça uma única conversão para saber o limite diário em cada país.

E também é possível efetuar saques em caixas eletrônicos vinculados à  Rede Plus, mas este serviço é cobrado e, como a tarifa é fixa, quando preciso, saco o maior valor permitido.