es-Cidade de Salta - Argentina (Centro Histórico)

28.04.2018

Bom, um dia de descanso em Salta, com saidinha só para almoçar. A região da cidade em que estou parece morta no fim de semana. Para achar um 'kiosko' aberto, foi um sacríficio.

Comi num café junto à Praça 9 de julho, o café Van Gogh. Já eram quase 15h e precisava de comida. Então, por ARS 170, comi uns bolinhos de verdura com molho de maionese na entrada.O prato principal foi sorrentino de frango, e de sobremesa um pudim de leite com doce de leite. A famosa água saborizada agora de sabor pera para acompanhar.

E de volta ao Hostel para relaxar, colocar as postagens em dia e dormir mais cedo.

No final da tarde chegou uma escocesa no hostel, conversamos um pouco, trocamos guloseimas, e no começo da noite ela me perguntou se eu ia sair. Tolinha, pensei que ela estava me convidando. Disse que não pretendia, mas se ela tivesse uma boa sugestão...

Assim, ela falou:

_ "Vou dar uma volta." e saiu.

Depois olhei em volta e compreendi. Ela deixou um aparelho carregando na tomada, queria saber se eu não iria sair para tomar conta. Eu e esse meu jeito brasileiro de pensar e agir.

No quarto tem quatro camas e quatro tomadas, distribuídas duas a duas em dois pontos do quarto. Divido o ponto com ela, a escocesa, mas o adaptador de tomada dela é gigante, então quando coloca, não cabe meu carregador ao lado. Em suma, fiquei sem carregar meu celular durante a noite e ele estava quase sem carga de manhã. Minha reposição hormonal acabou, de modo que começo a ficar mais incomodada. Com mais calor e sem contar que já estou com muitas saudades de casa.

Na primeira noite, quando cheguei da penha folclórica, o casal francês já estava dormindo com o ventilador ligado, assim, como o quarto estava muito quente, abri a janela para circular o ar. De manhã, falei com eles e acharam que foi uma boa ideia, pois estava mesmo quente.

Já na segunda noite, fiz o mesmo, mas só estávamos as duas no quarto. Quando já dormia, ouvi um barulho e acordei. Passou um pouco, comecei a sentir calor. Ela desligou o ventilador. De modo que eu não consegui mais dormir, pois já durmo só com o lençol aqui, a camisola puxada até a cintura, não tinha mais o que fazer sem ficar indecente. Os franceses chegaram e muito respeitosamente, deitaram sem alterar o que estava feito. É a ideia nessas convivências, ou se combina, ou prevalece aquilo que já esta feito. Mas não aguentei. Às 2h47 levantei para ir ao banheiro e religuei o ventilador. É mais fácil se cobrir, se alguém estiver com frio, já que pelada não posso ficar.

De manhã falei com a Caroline para ver se tinha uma extensão para resolver o problema da tomada, ela disse que não e que nos teríamos que nos entender. Não concordo muito não, afinal só queria usar a tomada a que tenho direito, mas saí para passear, e seja o que Deus quiser.

Na Praça 9 de julho tem muito bancos, muitas árvores, uma fonte, um coreto, algumas estátuas. E ao seu redor, como todas as cidades de origem espanhola que conheci, os edifícios mais importantes.

Ali estão a Basílica Catedral de Salta, Santuário del Señor y la Virgin del Milagro. Dessa vez cheguei ao final da missa, mas deu tempo de pedir, ao final da celebração, que acalmasse o meu coração, que achasse solução para o pequeno problema que surgiu no hostel, na paz e tranquilidade, com amor no coração. Na saída vi que tem visita guiada aos domingos às 17h. Agendei em meu celular. E segui adiante. 

No Centro Cultural de Salta, havia uma exposição de produtos regionais da Província de Salta. Cada uma apresentava suas peculiaridades e interesses turísticos, nos artesanatos, na gastronomia, na fabricação de vinhos, e na geografia e história. Na parte de Animana, uma das cidades da região, que fabrica cestos e uns doces muito interessantes e diferentes, de onde comprei uma caixa sortida por ARS 160. Fiquei muito interessada em conhecer o lugar, pois tem uma serra que parece um bolo de aniversario multicolorido. Mas a Caroline disse que não tem Tour para lá.

Uma outra sala mostrava os produtos de San Carlos , com tapeçaria e artesanato em argila.

Em Angastaco apresentavam artesanato em madeira e vinhos também, a uva é da cepa torrentes.

No andar superior, salas de reuniões e a sala do Governador da Província de Salta. Lindos vitrais enfeitam o teto e o lance intermediário da escada.

Depois, fui para o Cabildo, que chegou ser propriedade particular e foi resgatado pela municipalidade. Nele se encontram o Museu de História Natural, com muitos achados da era pre-incaica e incaica, mas que não se pode fotografar. No entanto, é uma área que sempre me desperta muito interesse, e ainda aproveito para ler em espanhol, melhorando meu vocabulário.

Perguntei a um dos orientadores porque Salta foi a segunda maior cidade do país no século XVIII, atrás só de Córdoba, pois não entendo a lógica, considerando estar numa área central do continente em relação aos oceanos, e não ter nenhum rio importante. A maioria das civilizações se desenvolve ao redor da água. Ele me explicou que Salta, como província, apresenta todas as regiões climáticas, um solo bem agricultável, uma beleza ímpar, e esta na rota entre Lima e Buenos Aires, aumentada sua importância como ponto de passagem. Questionei-o ainda sobre a população, pois hoje Jujuy tem uma população maior. Ele disse que a Grande Salta é muito maior que Jujuy. Salta não se resume só a Ciudad de Salta.

O andar superior tive que percorrer muito rápido, pois o horário de fechamento aos domingos é 13h30. Só tinha mais 15 minutos. Talvez vá para ver o subterrâneo em outra ocasião.

A visão da Praça lá de cima é bem bonita também.

Já estou com fome, ia comer os doces que comprei quando vi o ônibus turístico. Mas meu dinheiro não é suficiente para a passagem. A atendente me indica onde cambiar os pesos chilenos de modo que atravesso a Praça diagonalmente e acho os cambistas. Assim, mudei de ideia e resolvi almoçar de novo no Van Gogh. Hoje escolhi o cardápio mais caro, com carne. Para a entrada escolhi uma omelete mista, com queijo e presunto, o prato principal foi porco com purê de batata e a sobremesa sorvete com laranja. Água saborizada e paguei ARS 210. Mas comi muito bem. Deixo os doces para o jantar. E o sorvete, comi rápido para não derreter. Rs

Já é tarde para o Tour no ônibus turístico, e como peguei um folheto, vou verificar se vale a pena no hostel.

No hostel, vou para um jardim interno e descubro um pente de tomadas junto à janela do meu quarto. Deus, obrigada mais uma vez por me atender tão prontamente. Solucionado o problema das tomadas, só temos que deixar a janela aberta e posso deixar o celular carregando. Sento numa cadeira neste espaço e vou pesquisar novamente sobre o trem de las Nubes. Queria ver o itinerário. Custa R$ 400 a passagem com o ônibus até a estação de partida. Vi um vídeo e cheguei à conclusão que não vai valer a pena. Com esse valor posso fazer mais de um Tour pela região e conhecer muito mais. Converso então com a Caroline e contrato para terça feira um passeio para Cafayate por ARS 600, algo como R$120.

Também pesquiso o roteiro do ônibus turístico e chego à conclusão que posso fazer a pé, e economizar ARS 250. Vou fazer a metade mais próxima amanhã, que inclui o teleférico, e a outra parte na quarta feira.

Voltei para a visita guiada que começou às 17h em ponto, quando a igreja foi reaberta. Outra tradição por aqui. Lembra? Já falei sobre isso antes, como um período para a 'ciesta'.

No caminho comprei um climatex. Deve ajudar a manter meu humor em dia, e diminuir o calor noturno. Chego um pouco antes do horário e aguardo sentada num banco da praça. 

Um voluntário apresenta a igreja, falando de sua história, das três primeiras construções até chegar a atual. Apresenta os elementos, mas, o mais importante, a história do Senhor Jesus e a Virgem dos Milagres. Em 1692 houve um grande terremoto que acabou com uma cidade da vizinhança, mas o tremor se fez sentir de forma contundente também em Salta. A população correu para a igreja rezar. Uma imagem da Virgem que estava na igreja emprestada por ocasião de festejos (era de propriedade privada) foi solicitada para interceder a favor da cidade e sua população. Um religioso ouviu uma voz que dizia que o terremoto só iria cessar quando a imagem do Cristo saísse em procissão. Assim, a imagem que foi presente do bispo, que veio da Itália, e que já tinha tido seus percalços no caminho, e ficou esquecida e abandonada num porão por 100 anos, saiu em procissão, e depois de três dias de tremores, o terremoto cessou. O milagre segundo eles, não foi o terremoto parar, pois afinal, isso acontece em algum momento. O milagre foi a devoção que o povo atingiu naquele momento e que ano a ano só vem aumentando. A celebração do milagre ocorre em Setembro e, são tantos os peregrinos, que a Basílica tem sacrários aos pés de todos os Santos, nas naves laterais da igreja. Isso me chamou a atenção, pois nunca tinha visto isso.

Outro detalhe interessante, a nível de informação, é que toda Basílica, que assim é nomeada ao atingir certas condições da igreja católica, possui um guarda sol e uma cruz, que acompanham o Papa em procissão, pelo que entendi.

Um presente que está em uma redoma de vidro, por causa de sua fragilidade, também me chamou a atenção, por ser feito de papel.

Dali saí e passei para comprar meus shampoo e condicionador, uma garrafa grande de água saborizada e aproveitei e fui ate a Basílica menor de São Francisco, mais simples, porém também imponente. 

Mais adiante, bem perto do hostel, o convento. Mas a rua está uma confusão com obras, e o convento fechado.

No hostel aproveito que ainda tem luz para arrumar as unhas dos pés após o banho, e depois comer os docinhos típicos. O mais gostoso é juma bolachinha fina, que parece ter um doce de leite dentro, de modo que a casca é bem delicada.

Muitas amigas irmãs me mandaram mensagens, cada uma com uma orientação melhor que a outra, mas todas complementares, de modo que praticarei tudo porque me será útil para manter a serenidade neste final de jornada, cumprir o que for importante e estar bem comigo mesma. Eh para ser uma experiência enriquecedora, não quero 'sofrencia'. Vou menciona-las porque me são muito caras e preciosas, Cris G, M.Elisa J., e Maris LPP. Amo vocês. E tantos outros que acho que meu coração eh maior do que o normal.

Tudo termina bem quando a gente quer assim. Mais tranquila agora.