17 DIAS NUM SPA MÉDICO – SOROCABA (SP)

03/10/2020

Essa pandemia gerou estresse e ansiedade na maior parte da população do globo. E eu, que quase não sou ansiosa fui acometida pelo tédio e, mesmo tentando manter uma dieta equilibrada, caminhar e alongar, eu percebi a pressão das roupas contra meu corpo. A princípio, achei até que era uma forma de carinho, bem-vindo por sinal. Sozinha tão longe de todos, os abraços me fizeram muita falta. Mas depois o espelho me desenganou, e a triste realidade se mostrou. Só não sabia o quão dura poderia ser a realidade. Creio que já tem mais de dez anos que não chego à terceira casa decimal no peso. E não me pesava desde que saí do Brasil em maio de 2019.

Antes mesmo de sair de Portugal, percebi que alguma coisa devia ser feita a este respeito, e eu não estava obtendo êxito sozinha em minhas mirabolantes fórmulas de emagrecimento. Assim, sabendo que em Sorocaba tem algumas instituições especializadas, entrei em contato com o SPA Sorocaba pelo chat do site, e logo fui orientada a falar pelo aplicativo do What's App, em número fornecido por eles, e já fizemos um acordo prévio, que se confirmou assim que desembarquei no Brasil.


Dia 1

Depois de cumprir uma quarentena profilática auto imposta, passar dez dias matando a saudade da mãe, rever as filhas e alguns poucos parentes queridos que se sentiram confortáveis em me receber, iniciei hoje minha estadia no SPA, realizando o check-in pouco depois das 14 horas, horário previsto para entrada, depois de ter enfrentado UBER+Trem+Metrô+Ônibus+Uber para aqui chegar, e ter ficado extremamente surpresa com a ausência de pessoas em lugares que estão, em geral, lotados.

Fui recepcionada pela Camila, que me informou depois que será minha madrinha durante minha estadia. E que terei também um padrinho, na academia. Ela me conduziu pelas dependências do SPA, me apresentando às pessoas e atividades. Deixou-me primeiro para uma avaliação médica, com a Valéria, onde tive aferidos: meu peso, altura, pressão, taxa glicêmica e ainda realizou um eletrocardiograma. Na sequência a Camila me levou até a cozinha, onde alguns hóspedes tomavam o lanche da tarde, que recusei, pois almocei assim que cheguei à cidade, perto da Rodoviária. E me conduziu até meu quarto, o de número 10. São como chalés geminados, com espaço amplo, mas instalações um tanto antiquadas. No entanto oferecem todos os itens essenciais para uma boa estadia. Só me falta testar o colchão, que é King Size, e já posso dizer que fiquei descontente com a disposição das tomadas. E também falta uma cadeira no quarto. Mas talvez eu consiga sanar estes problemas amanhã, até com benjamim.

Recebi uma agenda com a programação das atividades físicas, e onde agendo as avaliações e massagens incluídas no pacote, e outras que porventura queira realizar, pagando a parte.

E logo às 16h15 já fui para minha primeira aula de hidroginástica, em piscina externa e aquecida. O SPA tem outras duas piscinas, uma coberta e aquecida, e outra externa e fria. E a aula foi muito dinâmica, e percebi que foi bom para exercitar meu pulmão, que andava muito sem fôlego. Logo que descobri o porquê assim que subi na balança e constatei desagradáveis 105 kg.

Após esta atividade voltei ao laboratório para a consulta com a nutricionista Evelyn. Muito simpática, como todas as demais, me fez um questionário detalhado de tudo que eu consegui lembrar sobre minha saúde e emoções. Depois me explicou como funciona o esquema de alimentação do SPA, com seis refeições diárias, Sendo o desjejum, lanche, almoço, lanche, jantar e ceia. Podem ser de 650, 900 ou 1300 calorias diárias. Ela me disse que as pessoas se adaptam bem ao de 650 calorias, e assim obtém o melhor resultado, e me sugeriu fazer aquele. Mas conversei com ela e ela me liberou o de 900 calorias, deixando ao meu critério comer menos do que o indicado no desjejum e lanches. O almoço e jantar tem a mesma quantidade de calorias para todos os hóspedes que buscam emagrecimento. Percebi que existem outros motivos para estar aqui além deste. E isso me satisfez imensamente, porque entendo que cabe a mim a responsabilidade pelo sucesso da minha empreitada. Não consigo entender o boicote que algumas pessoas se fazem. A quem estariam enganando. Se eu for me boicotar, faria em casa o regime, com gastos bem menores. Se estou procurando ajuda, tenho que estar ciente e querer me ajudar, em primeiro lugar.

Quanto a este tema, algo que considero desagradável, mas que já tinha sido esclarecido na contratação, faz parte da rotina da madrinha, que me recepcionou. A vistoria da bagagem, que ocorreu no quarto, junto comigo, e que é minuciosa, revistando peça por peça de roupa, incluindo os bolsos, e bolsas. Nas orientações iniciais me foram ditas as coisas que devia trazer, como roupas esportivas e de banho, mas não me foi dito o que não podia ser trazido, a não ser quando questionei o motivo da vistoria da bagagem. Não podem ser trazidos objetos cortantes, bebidas alcoólicas, comidas. E a justificativa é que é um SPA médico. E concordei. Mas sugeri que as proibições também constem nas orientações iniciais, assim como fazem as companhias aéreas.

Depois da nutricionista, passei para agendar avaliação fisioterápica para amanhã à tarde, e já tinha deixado agendado com a Valéria, a avaliação psicológica.

E nisso já era do jantar, minha primeira refeição por aqui. E recebi uma salada de folhas e tomates, e por sinal a rúcula estava demasiadamente amarga. Escolhi um molho de mostarda par temperar. Recebi sal e limão que não usei. Depois recebi uma deliciosa sopa de verduras e carne, que tinha uma almôndega que me pareceu de trigo integral e carne moída, mas que não gostei, pois senti o gosto de sangue da carne. Não é qualquer pessoa que sabe fazer carne moída, parece fácil, mas quem não sabe comete este erro. A sobremesa era um creme com leve sabor de queijo com goiabada cremosa. Uma porção pequena, mas muito saborosa. E quando terminava a refeição, a Solange da recreação veio me dizer que ia ter uma roda de conversa às 20 horas com a psicóloga Silvia e a psiquiatra, que agora não lembro o nome. E também falei com a outra nutricionista, a Ellen, que me orientou como escolher almoço e jantar para o dia seguinte. São três opções de cardápio para o almoço e outras três para o jantar. Cada refeição consiste de entrada, prato principal e acompanhamento, e você faz a combinação como quer. Dessa forma você pode elaborar nove cardápios diferentes. E todos os dias o cardápio muda. Mas não sei de quanto em quanto tempo os cardápios se repetem. Amanhã será o cardápio de número dois.

O bate-papo foi interessante, e ele se iniciou baseado num filme que fala da problemática de um homem bipolar e como ele venceu a doença, auxiliado por familiares e profissionais da saúde psíquica. E foi interessante porque, de certa forma, todos temos alguma desordem emocional, alguns que ali estavam já passaram por problemas maiores ou menores. Mas, de repente, percebi que também tenho motivos ocultos, ou desconhecidos, que me fazem sentir tão facilmente entediada, e o tédio me leva à ansiedade, assim como a hiperatividade. Vamos ver o que fala a psicóloga amanhã.

E sai de lá com a ceia, um iogurte desnatado e uma torrada com requeijão. E por enquanto está tudo bem. E agora a pouco, recebi um folheto, que foi colocado pelo vão d porta, com a programação das atividades recreativas de amanhã. E o ar condicionado me parece insuficiente para o tamanho do quarto.

Dia 2

Não dormi direito. Acho que foi uma somatória de coisas que me provocaram agitação noturna. Em primeiro lugar, não fechei a janela direito, e a luz externa me incomodou. O ar-condicionado ventava só na minha cara, não refrescando o ambiente por igual. E minha mente estava mesmo agitada, sem nenhum pensamento fixo, mas não relaxava para dormir. Acho que hoje será melhor. Uma porque já fechei a janela, depois o ar-condicionado foi trocado, e não a meu pedido. Foi instalado um novo hoje à tarde, e isso representa pontos positivos para o SPA, que apesar de ter algumas estruturas obsoletas, está se empenhando na atualização. E hoje já passei por quase todos os processos de avaliação, fiz os exames de sangue e urina, e já me acostumei com a rotina de alimentação, além de fazer uma ótima massagem relaxante com a Joice.

Antes mesmo de comer fui fazer o exame de sangue e pesar, mas o peso não me é mais revelado. Tenho que solicitar a informação com uma das nutricionistas.

No café da manhã de hoje, das seis porções que eu podia comer na dieta de 900 calorias, comi quatro. E nos lanches, peguei só uma porção das duas que estavam permitidas. Então ingeri 780 calorias, creio. E ainda não estou passando fome. Eu me mantendo ocupada não sinto tanta fome, já que é o tédio que me faz comer, somado a ansiedade, e não propriamente a fome.

Após o desjejum eu fui me alongar e caminhar. Andei 6 km, mas o orientador disse que eu estava passeando ao medir a minha pulsação e acho que estava 89. Mas o dia estava fresco e ele fica no final da descida, quando o coração faz menor esforço. Só me justificando. Kkk

E já era hora do lanche da manhã, novamente. Só uma torrada com requeijão. Li minhas mensagens no celular tomando sol e deu o horário do yoga. Foram 50 minutos de aula no gramado, muito proveitoso, para alongar o corpo.

Ao meio dia eu fui para a avaliação psicológica com a Dra. Cláudia. Ela é muito simpática e comunicativa, se colocou a disposição para o que eu precisar e ofereceu o serviço da equipe de tratamento psíquico, caso eu queira tratar de alguma situação específica. Penso que no meu caso, não foi muito útil essa entrevista. Talvez porque eu mesma faça a autoterapia.

E já era hora de almoçar de novo. Um minúsculo bife a rolê com um bolinho de arroz e trigo integral, ou foi o que me pareceu. Um caldo de abóbora, bem ralo, e uma sobremesa com calda de frutas vermelhas. Estavam todos saborosos. Hoje tomei um copo de suco de abacaxi antes da refeição.

E fui: marcar a avaliação estética e até a recepção para pedir uma cadeira para o quarto, para me acomodar melhor para escrever. Como a Camila, minha madrinha, só entra às 13 horas, a Aline me acompanhou até ao ginásio, e encontramos com o Vitor no caminho, que é meu padrinho, e ele deixou agendada a avaliação física para o final da tarde.

No ginásio um rapaz me apresentou os equipamentos, e falamos sobre aulas de ciclismo. Será que conseguirei aprender aqui a andar de bicicleta? Isso seria um bônus e uma grande realização, que me proporcionaria a superação de expectativas com relação ao local.

Às 14 horas fui fazer uma experiência gourmet, onde nos foi ensinado pela nutricionista Ellen a fazer um bife de filé mignon com molho de mostarda, e ela ensinou um tempero básico para carnes, que não vai sal, fica leve, pouco calórico e gostoso. E lá ela fez uma sobremesa com barquinhas de trigo, que só tem 10 calorias cada, e doce de brigadeiro light. E podíamos degustar o bife. Quem quisesse comer a sobremesa, deveria dispensar o lanche da tarde. E foi o que fiz.

Logo às 15 horas tive uma excelente consulta com a Dra. Elisangela, fisioterapeuta. Ela pergunta muitas coisas e faz a avaliação postural. E obviamente que encontrou muita coisa torta. Terei direito a uma aula de pilates, incluída no pacote, que eles chamam e cortesia. Mas vou explicar aqui o que é cortesia: é aquilo que você oferece gratuitamente e de modo distinto aos demais. O que você oferece para todo mundo, está incluso no pacote.

E depois fui para o centro estético, onde estava marcada a massagem relaxante. E onde me foi agendada para os próximos dias: a avaliação estética e uma massagem para os pés. Neste local eu fiquei uma hora, me dirigindo depois para o ginásio, onde o Vitor me atendeu muito bem também. Já que ele tirou minhas medidas, quis logo saber se a fita era longa o suficiente para dar a volta completa. E depois de saber meu histórico médico, ele recomendou fazer o exame cardíaco antes do teste de resistência, para estabelecer o que posso praticar de atividade na musculação. Lá também terei direito a uma aula com personal, uma aula de artes marciais ou esgrima, e uma de GEP, que ainda não sei o que é.

E quando saí de lá já era hora de janta novamente. Eu estava ansiosa com o jantar, já que pedi o nhoque como prato principal. Tomei um creme de batata ou algo do gênero. E depois veio o nhoque. Uma porção pequena, mas suficiente. E de nhoque só tinha o formato. Eu senti o sabor de ricota e espinafre. E estava muito gostoso. E a sobremesa era uma tortinha, composta por uma bolacha, um creme firme feito com gelatina sem sabor, e uma geleia com manga, também muito gostoso.

Quando terminei vim para o quarto escrever um pouco para logo voltar ao salão e assistir uma palestra com o professor Luís, que falou sobre obesidade e dor, e a importância de fazer musculação para o fortalecimento dos músculos e o ganho de massa magra. Aproveitei para tomar um chá de gengibre. E ao final já estavam servindo a ceia, que trouxe para o quarto e com após o tomar banho, e consistia d uma barquinha com creme de requeijão e uma porção de iogurte natural com geleia de frutas vermelhas.

Hoje participei mais da conversa e no final conversei bastante com duas outras hóspedes, uma delas chegou já tem um mês e emagreceram 20 kg, o que me deixou bastante animada, mesmo ela comentando que tinha 160 kg. Sempre soube que quanto mais próximo você está de seu peso ideal mais difícil perder peso. Claro que este não é meu caso.

E agora vou relaxar assistindo Netflix, já que a TV é smart. E tentar ter um sono reparador. O dia foi mais fresquinho e isso deve ajudar.

Dia 3

Hoje dormi bem, a noite estava mais fresca e a cabeça mais tranquila. A rotina da manhã foi parecida, com pesagem, café da manhã, e caminhada. Parece que a balança já mexeu os ponteiros para menos, mas eles não me contam os resultados. A pressão está ótima como sempre, e a oxigenação do sangue também. Achei que a forma de colocar o braço na hora de medir fez diferença no resultado, porque a de ontem estava mais baixa. Mas não entendo disso. No café da manhã comi cinco dos seis itens possíveis. E a caminhada foi com a velocidade um pouco maior, mas só fiz 5 km, de acordo com o meu aplicativo do celular. No entanto, o batimento cardíaco chegou a 114, mas também porque estava mais quente o dia, e eu superaqueço. Tive até que tirar a blusa no meio do caminho. Hoje era o Reinaldo que estava no controle, e ele mediu duas vezes a pulsação. E perguntou qual era o meu ritmo alvo, mas ainda não sei, pois não fiz a avaliação física. E logo o lanchinho das 9 horas.

Estava com o top do biquíni por baixo da roupa já que pretendia fazer a hidroginástica às 10h15. E fiz. Foi muito intensa e gostei muito. Na água consigo impor ritmos mais intensos. E gosto muito porque tem música, e tenho mais liberdade. Foi quase uma hora e sai bem cansada.

Terminada a hidro, mal deu tempo de eu tomar meu banho e já era hora de almoçar. Digo que parecemos bebê aqui. O tempo todo em atividade, comendo ou dormindo. E o almoço foi feijoada com farofa de cenoura, em diminutas porções, mas muito saborosas, e suficientes. Depois a garçonete me perguntou se eu queria fruta ou bolo de cenoura. Eu lhe disse:

- Se algum dia eu preferir fruta ao doce, pode chamar o médico com urgência, pois estou com algum problema.

Ela, a outra hóspede, que estava na mesma mesa que eu, e eu mesma rimos bastante. E ganhei o bolinho.

Tive alguns poucos momentos de descanso antes de iniciar a aula de zumba, às 14 horas. E foi muito divertida e dinâmica, com elevado gasto de energia também. Até que consegui acompanhar bem, sem atrapalhar, ao menos. Percebo que as atividades alternativas, chamadas recreativas tem pouca adesão. Comparecem de 4 a 8 pessoas somente. É certo que o SPA tem muitas outras atividades nos centros: estético, fisioterápico, e no ginásio, com custos a parte, não incluídos no pacote, mas de atendimento personalizado. Eu estou com interesse em fazer o Pilates.

E um pouco antes do final da aula, me dirigi ao ambulatório para a consulta com o Dr. Luís, cardiologista e um dos sócios do SPA, que é uma empresa familiar dirigida por seu pai, irmã e ele. Tive que esperar ele terminar a consulta em curso. Quando entrei, ele me deixou muito à vontade, e me pediu para que eu lhe desse meu histórico médico. Falei das coisas importantes dos últimos cinco anos. Depois ele me falou sobre os objetivos do SPA, e foi bom porque confirmou o que eu já estava percebendo. Além dos cuidados com o corpo, também trata dos assuntos da mente, numa perfeita sincronia, entendendo o quanto o emocional afeta o físico no surgimento de doenças. Então, além dos obesos estão aqui pessoas com problemas de hipertensão, diabetes, depressão, e outros, e ele ressaltou que todos estão espontaneamente, e entendem o tratamento visando à saúde global. Depois ele pegou os resultados de meus exames e, fomos conversando sobre os itens que apresentaram problemas. O ácido úrico, que dada a minha condição de portadora de um único rim, entendeu que além de eu passar com um nefrologista para cuidado e acompanhamento, já devia iniciar a medicação que ele já me prescreveu. E o próprio SPA se encarrega de comprar e eu pago na saída. O outro item de atenção foi o TSH alterado. E ele chamou de Hipotireoidismo clínico, já que o meu T4 está normal. Este assunto eu deverei conversar com o meu endocrinologista ou com o oncologista que também é clínico geral e com quem tenho consulta marcada para dia 05 de outubro, logo depois de sair daqui.

Perdi o horário do lanche da tarde, mas explicando na cozinha o motivo, me informaram as opções disponíveis e peguei um iogurte de morango.

Achei que teria alguns momentos de folga, mas tinha alguns assuntos particulares para resolver que me tomaram este tempinho, e logo às 17h15 começou a aula de dança de salão, hoje com o ritmo de gafieira. A professora é muito competente, pois dar aula de dança sem poder encostar-se às pessoas não é nada fácil. Certamente ela teve que se preparar bastante para adaptar a sistemática de aula à nova realidade da pandemia. E até uma senhora de mais idade que gosta muito de dançar, pode aproveitar e se divertir. O gasto calórico não foi muito grande porque o ritmo foi mais lento. Mas acho que eu já tinha feito bastante esforço durante todo o dia.

E terminou na hora do meu jantar. Que foi filé mignon com abobrinha ralada e berinjela. De sobremesa um manjar muito gostoso. O cardápio de hoje foi o número 3 e agora estou me lembrando de que não escolhi os pratos de amanhã. Não dá mais tempo. Estava com pressa porque queria ir fazer a avaliação física e desmarcar a massagem nos pés, que se sobrepuseram. Consegui desmarcar uma, mas não fazer a outra, pois o ginásio estava fechando e o professor já tinha ido embora. Mas o horário de amanhã ficou agendado.

Já sinto as costas doerem por conta do ajuste da coluna com a perda de peso rápido. E tive um pouco de dor nas coxas pela intensidade dos exercícios dos últimos dias, mas nada exagerado.

Quanto à fome, estou sentindo um pouco neste exato momento, antes de relaxar para dormir. Mas não havia sentido até então. Manter minha mente e corpo ocupados me ajuda a não pensar em comida.

E amanhã eu vou perguntar para a nutri ver o novo peso, depois de dois dias e meio aqui, só para ter ideia da evolução e da relação do que faço com o resultado. Como conversei com o Dr. Luís, não tenho intenção de sair daqui com meu peso ideal, quero um start para o processo de emagrecimento, e sair com orientações do que fazer para continuar e manter lá fora. Ele me disse mesmo que o mais importante, sobre o aspecto médico, é a perda de medidas, não necessariamente de peso. E com isso eu finalizo este dia feliz, sabendo que estou agindo de acordo com minhas escolhas, e os resultados obtidos estão diretamente ligados às ações.

E terminei o dia com uma barca de requeijão e mais um iogurte.

Dia 4

Não dormi. Capotei. E fiz o que já se transformou em uma rotina pela manhã. Pesar. Comer. Caminhar. E hidroginasticar. Esse verbo não existe, mas estava indicando só ações em uma palavra. Seria exercitar na hidroginástica.

No café da manhã comi só quatro itens dos seis que tenho direito, de novo. Na caminhada fiz os 5,8 km e atingi a frequência cardíaca de 126. E na hidro fiz muitos abdominais e gostei muito da aula. Creio até que foi a que mais gostei, apesar de que a de ontem estava muito boa.

No lanche da manhã peguei uma torrada. E eu vi uma pessoa pedindo banana. Aí quis os dois.

E tive um tempinho após o banho para relaxar antes do almoço. Como ontem eu me esqueci de escolher o cardápio, foi tudo surpresa. Apesar de que eu escolho e depois não lembro o que. E recebi uma salada com um morango e que, por incrível que pareça, deu o toque especial, com um sabor contrastante e fresco. O prato principal foi uma lasanha recheada de palmito pupunha e um pouco de frango desfiado, com molho vermelho à bolonhesa. Estava uma delícia. E prova que não há problema em comer massas, o importante é a quantidade. E como a massa já é um carboidrato, o prato não tinha acompanhamento. Mas a sobremesa foi um bombocado. Também num pequeno pedaço de 4x4cm.

Antes da minha avaliação física, que estava marcada para 14h consegui até me esticar na cama.

E, enfim, consegui fazer a avaliação com meu padrinho no ginásio, o Vitor. E como eu estava com o músculo lombar do lado direito pinçado, ele fez a avaliação na ergométrica. Fiz nove minutos e ele foi aumentando o nível de esforço até o 9 também, que foi o que aguentei. E ele comentou que eu tenho um batimento cardíaco baixo, 67 em repouso. E por isso, a minha zona alvo é entre 97 e 105. Então estou ultrapassando essa zona nas minhas atividades. E minha aula de musculação assistida ficou para amanhã à tarde. Ele decidiu não fazer a avaliação, pois eu disse que tinha aula de pilates às 16 horas.

E lá fui eu toda prosa, primeiro para falar com a nutricionista, tirar umas dúvidas sobre as reações do meu corpo, pedir autorização para comer ovos mexidos de manhã, e recebendo a autorização para no máximo duas vezes na semana. E saber sobre minha perda de peso. Que alegria, emagreci 2,7 kg em três dias. A meta estabelecida por eles é de 3,5 kg em uma semana. Mas se eu mantiver o ritmo, amanhã cedo já poso ter atingido. Mas eu já estava imaginando que os oito primeiros quilos seriam fáceis de perder, já que os adquiri muito recentemente. Meu peso constante nos dois últimos anos está entre 95 e 97 kg. Mas vou continuar fazendo minha parte sem me preocupar com isso.

Depois fui comer meu lanche da tarde, e peguei mamão e bolo de banana, do mesmo tamanho e no mesmo padrão delicioso. A fome ajuda a temperar o alimento, segundo dizem, e eu estou comprovando.

Passei no Centro de Estética e marquei manicure e pedicure, e chegou a hora de fazer o pilates. A Elisângela é muito simpática, aliás, como todos aqui. Já disse que isso deve ser pré-requisito para trabalhar no SPA. E eu desacostumei com a cortesia brasileira passando mais de um ano fora do país. Fomos para a sala com os equipamentos e ela me acompanhou em cada aparelho com o cuidado de corrigir minha postura, como uma boa profissional deve fazer. E estava sempre atenta com relação ao esforço, aumentado ou diminuindo as cargas de acordo com minha manifestação. Fiquei tão contente que marquei mais três aulas com ela, que é o possível de fazer nestes 17 dias, com o intervalo necessário. Essas aulas não estão incluídas no pacote e pago na saída, ao acertar minha conta de consumo extra. Ela até fez um ultrassom para a dor na lombar e me emprestou um saquinho de gel para aquecer e aplicar antes de dormir. E me falou de um exame para detectar incontinência urinária. Achei interessante. Talvez o faça.

E depois já tinha a avaliação estética, e foi muito agradável também, já que a profissional Cris é fisioterapeuta com pós-graduação em estética corporal. E ela me deu muitas dicas preciosas além de me convencer sobre o uso de um equipamento que destrói células de gordura, que farei em cinco sessões, e também fora do pacote contratado. Mas se for bom o resultado como ela falou, já saio contente. Demoramos mais do que o esperado, já que conversamos bastante. E perdi a massagem relaxante nos pés, pois já era hora de meu jantar. Até tentei jantar mais depressa para retornar às 18h45 e fazer a massagem, mas foi postergada para amanhã. E acho que será muito benéfica esta massagem depois de um dia com tanta exigência dos meus preciosos pés que me carregam o dia inteiro.

No jantar, além da salada, que de diferente tinha uma porção de ervilhas frescas, uma sopa parecida com a que já tinha comido no primeiro dia, até com o bolinho de carne, mas que, desta vez, não estava com gosto de sangue. Mas não é tão bom assim mesmo. Diferentemente da sopa, que adoro e estava mesmo muito boa. E a sobremesa foi uma barca de doce de leite, com uma colherada de doce.

Quando voltei ao centro de estética, encontrei a Solange, responsável pelas atividades recreativas. E já combinamos de amanhã nos encontrarmos para marcar aulas de bicicleta. E eu fiquei feliz. E ela me avisou da palestra com o fisioterapeuta especializado em Osteopatia e palmilhas que estava marcada para 21 horas, no mesmo horário da ceia.

E lá fui eu esquecendo-me da máscara. Parece até estratégico isso, já que cada vez que tenho que voltar buscá-la ando um tanto a mais. E nem vi o que tinha direito no lanche, pois, quando vi que tinha pipoca, em um pequeno saco e sem sal, já me decidi. E sentei-me para aguardar o término do bingo, que acontecia em outro espaço e o início da palestra. Não estou gostando muitos destas palestras noturnas. Talvez porque eu esperasse um pouco mais de profundidade no assunto e o que percebo são mais tentativas de vender produtos ou serviços. Vou pensar bem antes de trocar meu descanso reparador por alguma outra destas rodas de conversa. Se bem que, hoje fiquei interessada nos produtos. A palmilha que uso já está pedindo arrego. E a aderência visceral que ele trata também com a osteopatia, pode ser a causa do problema que estou enfrentando na região abdominal, já que percebi que se foi se intensificando após a cirurgia do rim. Vou pegar um cartão dele e, se os exames que eu farei não apresentarem um diagnóstico esclarecedor, talvez o procure.

E assim termino mais um dia, colocando a bolsa de gel na lombar, gentilmente aquecida pelo pessoal da cozinha. Mas ainda dói.

Ah! E achei antiquado também o sistema de agendamento deles, será que por atenderem muitos idosos?

Dia 5

Continuo comendo somente quatro itens do café da manhã e hoje teve ovo mexido. Estou descobrindo que é possível trocar o prazer pela comida pelas endorfinas geradas pela atividade física.

E hoje, ao invés de fazer a hidroginástica de manhã, fui para uma demonstração do GEP (Ginástica Estrutural Postural). E descobri que estou toda torta, algumas coisas eu já sabia como a escoliose e a lordose, mas ela disse ainda que tenho o quadril torcido, os músculos do pescoço retesados e piso errado. A boa notícia é que já não viu sinais da fascite plantar, e isso eu atribuo ao uso constante da palmilha dentro do tênis para pisada pronada. Acho até que vou comprar uma palmilha do Dr. Marco, mas ele ainda não trouxe a amostra para eu conferir o material.

O almoço foi surpreendente quando recebi uma bolinha amontoada no meio daquele imenso prato. Senti-me em um restaurante francês, onde os pratos chiques e bem elaborados parecem que não vão ser suficientes. Mas me enganei. Era uma fatia grossa de batata, um pedaço e bacalhau e uma rodela de pimentão e uma tirinha de clara de ovo cozida, quase imperceptível. Mas por ser o bacalhau fibroso, e de mastigação demorada, fiquei satisfeita. A sobremesa foi bolo de chocolate e foi o que menos gostei dentre todos que provei. Talvez porque quando a gente fala em chocolate, espere uma presença marcante deste ingrediente.

E depois do almoço fui ao Centro de Estética para arrumar minhas unhas, dos pés hoje, para não perder muito tempo por lá.

Às 14 horas fui para minha segunda aula Gourmet, onde aprendi a fazer um lanche diet, com só 200 calorias, aproximadamente. Só éramos três alunas e tivemos uma conversa muito agradável, com ótima interação com a Aline, cozinheira, a Ellen, nutricionista e nós. Foi interessante que, antes da aula começar, estava falando que gostei de morar em Portugal para a Aline. E chegou outra hóspede falando que morou lá, tendo voltado há um mês e odiou, por conta do mau-humor português e por se sentir destratada por ser brasileira. Vejam como as experiências podem ser tão diversas.

No final da aula pudemos degustar um quarto do lanche, que substituiu o lanche da tarde. Mas valeu a pena.

E dali eu já fui direto para a aula com o personal, na musculação. Passei pela esteira para aquecer, e por diversos aparelhos. E não foi tão ruim, mas não é mesmo minha praia. Quinze minutos na esteira parece como cinco ou mais voltas na pista, que também não é meu ideal. Prefiro caminhar sem destino e não passar pelo mesmo lugar. Esta minha sede por novidades... E ele comentou que tenho um bom alongamento e força nos glúteos. Também corrigiu minha pisada na caminhada na esteira. Não conseguimos conversar no final da aula porque ele seria o instrutor da hidroginástica, que não fiz mesmo, pois estava bem cansada.

Um pouco antes das 17 horas fui até ao Centro de Estética novamente e marquei cinco sessões de ultracavitação redutora com a máquina Kavix. A Cris me disse que é muito boa e destrói célula de gordura. Essa máquina vai ter um trabalho danado comigo. E em seguida fui fazer uma deliciosa massagem relaxante nos pés, com a Ana Paula. Ela também faz reflexologia e pude notar facilmente a sua competência, pois ao passar a mão ela sente mesmo os locais doloridos, mesmo sem minha manifestação. Achei muito bom este cuidado, já que estou sobrecarregando meus pés com tantas atividades. Os coitadinhos que já suportam todo o meu peso. Devo fazer um esquema também com esta carícia. A de hoje foi demonstração, as demais, se eu fizer, serão pagas.

E saí correndo de lá para a aula de dança de salão, que hoje foi ainda mais produtiva e divertida, com dois casais e três mulheres, além da professora. Estava tão bom que até perdemos a hora.

E a hora era importante, já que era a hora do jantar. Pedi um caldo de abóbora, um bobó de camarão e a sobremesa era iogurte com geleia. Foi a primeira refeição que conversei bastante com uma hóspede, a Julia, que fez aula de dança comigo e mais algumas atividades, como a aula Gourmet. Ela é bem jovem, muito extrovertida e simpática. Mas terminei antes dela e vim para o quarto tomar meu banho, ligar para minha mãe já que recebi a notícia de uma cirurgia de emergência de minha tia, irmã dela. E não tive ânimo de fazer mais nada além de ir buscar meu lanche noturno que consistiu em uma porção de banana com maçã e uma torrada.

Dia 6

Hoje foi o dia que mais calorias eu ingeri, pois peguei cinco itens no café da manhã e não dispensei mais nada durante todo o dia. Já sinto as minhas costas se acomodarem com a redução de peso.

E na caminhada me policiei para pisar como o Vitor falou: na linha do ombro de cada lado, pois eu piso quase pé ante pé. E já sabia que é errado, mas muito difícil desfazer um hábito de toda vida. Mas percebi que, ao colocar primeiro o calcanhar, que é fisicamente estruturado para suportar o peso do corpo, e os pés na posição certa, já gerou um alívio para os joelhos e junta da bacia. E eu sentia também algumas partes de músculos sendo forçadas em uma direção que nunca lhes foi exigida ao caminhar.

E nisso pensei no privilégio e oportunidade enorme que estou tendo aqui e isso me gerou uma tristeza aliada com a gratidão. A gratidão eu nem preciso explicar, é óbvio demais. Mas pensei primeiro nos funcionários do lugar, será que eles têm a oportunidade de trocar informações e aproveitar deste conhecimento de outras áreas para se corrigir? E depois pensei naqueles mutirões de saúde que fazem para a população, visando principalmente os mais carentes. Nestes eles medem a pressão sanguínea, o nível de glicemia, até verificam a acuidade visual, mas acho que não pensam em agregar o fisioterapeuta para corrigir hábitos de postura que poderiam minimizar os problemas de coluna. E fiquei triste por saber que coisas tão básicas só são oferecidas às camadas sociais mais abastecidas financeiramente.

E falando um pouco de temas polêmicos, alguns ainda são contra o sistema de distribuição de bolsas, quotas, e outros mais que tentam minimizar a disparidade social. Nem é questão de igualar as ofertas, já que isso é utopia. Mas de oferecer algumas oportunidades, ao menos.

Dei minhas dez voltas na pista. Fiz meu alongamento antes e depois da caminhada, e corri para o quarto me aprontar para a aula de hidroginástica. E essas foram as duas atividades físicas do dia, que está com uma cara de domingo, com uma malemolência.

E só tive mesmo tempo de tomar meu banho antes do almoço. O lanche eu fiz assim que terminei a caminhada, como todo dia. Sentei-me sozinha e degustava minha salada quando engasguei. Tive que me levantar e sair para não perturbar os demais comensais. Mas a Lourdes, que estava na mesa ao lado, bem de frente para mim, se levantou também e foi atrás de mim, preocupada. Mas me encontrou já voltando. Disse-me que as hastes do agrião às vezes engasgam, para eu ter cuidado. Mas eu não tinha identificado o que foi até comer mais agrião. E não foram as hastes. O agrião, assim como a rúcula que eles têm servido aqui são tão amargos, que subiu um gás para meu nariz e me sufocou. Acho que são folhas muito velhas. Quando colhido mais jovem, não costumam ser tão amargos. Mas não sei se eles compram ou plantam o que consomem.

Logo depois, enquanto eu aguardava minha picanha com cebola assada, a Daniela sentou-se à mesa e conversamos sobre trivialidades. Recebi minha sobremesa, um bolinho de ameixa, eu acho. E quando estava saindo engatamos numa conversa mais pessoal, em que eu falei mais e ela foi uma ótima ouvinte. Ela me disse que é roteirista, e escreveu um roteiro chamado: "Menina da Mala". E disse que a menina sou eu, pelo que ouviu de minha história. Ela tem acompanhado a filosofia budista, e achou que meu modo de ser e agir reflete muito os conceitos daquela filosofia. E assim, acabei esperando-a terminar o almoço e saímos juntas do restaurante, ela talvez com mais ideias para seus roteiros, até de vida e eu com a alegria de ter interagido. Respeito demais o espaço do outro para me acercar. E assim sempre espero o movimento contrário. Mas foi bastante prazeroso, espero que para ela também.

Tive um pequeno tempo para relaxar no quarto, e logo às 14 horas fui a primeira a receber uma massagem quick perto da área de recreação. E dali eu segui de novo para a cozinha, onde adquiri uns livros das receitas diet que eles fazem aqui. E já era quase hora do lanche de novo.

Mais uns momentos e lá fui eu para manicure, e a Carol hoje teve que ser criativa para atender às minhas necessidades. Mas o resultado foi ótimo. Enquanto converso com o pessoal que trabalha aqui, tenho a oportunidade de saber um pouco o que pensam da vida, e também sobre seus trabalhos. Fico muito feliz ao perceber cada vez mais gente de bem, feliz e agradecida.

Na sequência eu tinha a sessão de Kavix - ultracavitação seguida de uma massagem redutora, com a Ana Paula, a mesma graça de pessoa e ótima profissional que fez a massagem nos pés ontem e a quick mais cedo. Foi um processo demorado onde ela começou passando aquela máquina de ultrassom nas três partes que mais me incomodam em meu corpo, visualmente falando: Interno de coxas, braços, e abdome. E depois fez uma massagem com tanta intensidade que quase acho que o que faz efeito é mesmo a massagem. E foi uma hora e meia de conversa, cuidado de meu corpo e relaxamento.

E já era hora de jantar. As refeições chegam muito rapidamente. E o jantar foi sopa, quibe com arroz integral e um delicioso manjar de maracujá de sobremesa. E estou escrevendo e já pensando se vou ou não no Karaokê. Como será que estão fazendo? Cantando de máscara? Ou sem microfone? Talvez vá até lá só para dar uma conferida, já que meu dia hoje foi bem mais calmo.

E fui. E até me diverti. Tinha pouca gente e ninguém sabia cantar mesmo, então não me constrangi. E a cantoria era de máscara. Mas sempre tem alguém que não observa as regras. Fazer o que? Falta bom senso. Cantar pode expelir gotículas e contaminar o microfone. E quando outra pessoa pega...

Fiquei uma horinha por lá e fui buscar meu lanche, que consistiu de uma torrada e um polenguinho.

E vou agora procurar um bom filme para assistir. Já que ainda me resta ânimo.

Dia 7

Não assisti foi nada. E dormi bem, iniciando o que já se tornou uma rotina. Vou ficar 17 dias aqui, e dizem que toda rotina se trona hábito depois de 21 dias. Então pretendo continuar lá fora por mais quatro dias e depois, com pequenas adaptações, para sempre.

A grande diferença é que hoje o dia amanheceu cinzento e frio, o que era previsível, estamos chegando ao final do inverno e início da primavera. E deu um desânimo danado de ir caminhar. Mesmo assim eu fui. Alonguei no quarto mesmo e comecei a controlar a quilometragem assim que coloquei o pé para fora do quarto, e cheguei à conclusão que são uns 100 metros até o ponto inicial da pista. Pelos meus cálculos, a propriedade tem uns 250 metros de comprimento por uns 150 metros de largura.

Logo na primeira volta uma hóspede que estava sentada, fumando, me mostrou um casal de maritacas sentadas sobre o telhado de umas habitações. E elas eram muito cordiais, até inclinavam a cabecinha para me ver melhor. E hoje não perdi conta do número de voltas, e totalizei um pouco mais de 6 km e o batimento cardíaco chegou a 126, mesmo com frio, e a velocidade foi menor. Vai entender.

Quando voltei ao quarto já era hora de lanche e a hidroginástica já estava por começar. O lanche foi banana com mamão e aveia mais uma gelatina de uva. Entrei na piscina com a aula começada, e encontrei a Mirela (11), que foi a principal cantora no Karaokê de ontem, e sua mãe (52). Quando perguntei de onde elas vieram, recebi a resposta:

- São Caetano do Sul.

Isso foi suficiente para engatarmos um bom papo durante a aula mesmo, mas não deixei o meu ritmo diminuir. Tendo sido criada em São Caetano e com minhas duas filhas nascidas lá, conheço muito bem a pequena grande cidade do ABC. E ela é de família tradicional na cidade, até tem rua com o nome de algum parente dela: Rua Antônio Garbeloto. E fomos falando muito, mas ainda não achamos conhecidos comuns. E nessas, acabei me demorando mais na piscina e tendo que tomar um banho rapidamente para não me atrasar para o almoço.

O almoço de hoje não fotografei porque não levei o celular. E esqueci também a máscara, tendo que voltar para buscá-la. Aliás, isso já me aconteceu incontáveis vezes, e assim aumenta minha quantidade de passos diários. Comi uma salada de folhas com palmito, e um filé de frango com molho e abacaxi, arroz integral com cenoura ralada e, de sobremesa um barquinho de brigadeiro.

Achei que hoje ia aprender andar de bicicleta, mas o pessoal da recreação chega tarde e eu tinha a ultracavitação com massagem redutora às 16h30. E dura uma hora e meia. Ou seja, termina na hora de meu jantar. E hoje a conversa com a Ana Paula foi cheia de coincidências. Com todo este tempo para conversar, acabamos falando de família e descobrimos características similares em nossas filhas. Ela também tem duas. A mais velha é estudiosa, aquariana, não é muito de demonstrar afeto e é advogada. A mais nova, ao contrário, não gosta muito de estudar, mas é aplicada quando o assunto lhe interessa, conversa muito com a mãe, e gosta de confeitaria, e está trabalhando com isso agora. Só não têm os mesmos nomes das minhas, mas todas estas características são iguais, com exceção que minha mais nova já não trabalha com confeitaria. Até a diferença de idade entre as duas é quase a mesma.

Voltei para o quarto para tirar o novo roupão que eu recebi, bem mais adequado ao meu tamanho, que fica longo e com as mangas longas também. E conveniente dado o frio.

E lá fui eu para o jantar. Dessa vez sentei com a Luci, de Campinas, que chegou hoje, mas é cliente habitual. Aliás, a Maria Lucia de São Caetano também é: vem anualmente desde antes de sua filha nascer. Eu acho incrível. Minha personalidade exige novidade o tempo todo. Estou aguentando porque meu propósito é outro, senão, uma semana no mesmo lugar, sem nem poder ir para a rua... Não é para mim.

Meu jantar foi couve-flor refogada, filé de frango com molho e arroz integral. E canjica de sobremesa. Uma delícia. E observando minha companheira de jantar percebi que ela recebeu duas entradas: uma salada e um caldo de cebola. Daí eu compreendi porque algumas pessoas colocam vários números na entrada, prato principal e acompanhamento. Alguns porque têm dieta livre, e acho que a entrada pode ser mais de uma por ser com baixíssima caloria. E ao comentar que eu gostaria de vir para o quarto e não sair mais após o jantar, ela me disse:

- Eu faço isso.

- Mas e a ceia?

- Eu pego agora, no final do jantar, e levo para o quarto.

E aprendi mais uma coisa, já que não sou de ficar especulando. Só que são menores as opções. Só o que já vem pronto. Então peguei um iogurte e um polenguinho. E agora são somente 20 horas e hoje, finalmente, vou conseguir relaxar com um filme antes de dormir.

O domingo aqui é bem mortão. A recreação podia oferecer algumas alternativas mais dinâmicas e interativas, com bastante movimentação do corpo, para compensar a ausência de algumas outras atividades. Talvez o COVID atrapalhe até isso.

Dia 8

A segunda começou mais agitada. O dia estava nublado e frio, mas logo depois da caminhada, que foi a mais longa até agora, com 6,3km, o tempo abriu e o sol até mostrou a cara. E depois do lanche de melão com castanha do Pará e uma torrada com cottage, fui para a hidroginástica. E hoje, depois da hidro, resolvi correr no perímetro da piscina. E fiz dez voltas. É um bom exercício vencer a água e ao menos não força tanto as articulações. Têm muitos hóspedes que só fazem este tipo de exercício, exatamente pelo motivo citado. Um bom banho e almoço, de novo.

E hoje comi uma 'saladona', estou acostumando com este negócio de começar pela salada, e mastigar bem. Quando chega o prato principal já estou bem saciada. E hoje era filé mignon a parmegiana, mas diet, acompanhado de arroz integral com açafrão. E banana com creme de caramelo para sobremesa.

Só dei uma passadinha no quarto olhar uns vídeos e já deu o horário de minha aula experimental de esgrima. Faz parte do pacote e as outras modalidades eram de artes marciais ou boxe, mais pesadas para mim. E chovia. O Luís já estava me esperando e ele é um bom mestre. Mas uma vez, acho que a consciência corporal por causa da dança me ajudou. E a esgrima é bem divertida, já que é como uma dança, de ataque e defesa, mas com graça e suavidade, pelo menos por enquanto.

Subi pela pista e fui direto ao ambulatório falar com a Dra. Ellen, nutricionista, para saber minha evolução. Fiquei feliz ao saber que já emagreci 4,5 kg. Eu pensava em cinco nesta semana, mas fiquei contente. E ela me disse que a projeção para a dieta de 650 calorias diárias de comida é de 4,2 kg. E eu estou fazendo entre 750 e 800, na dieta de 900 calorias, e superei o projetado.

Toda contente resolvi passar na recreação e hoje comecei minhas aulas de bicicleta com a Solange. Ela queria esperar a presença do Davi, pois achou que seria bom ter uma pessoa de cada lado meu. Mas resolveu me apresentar a bike, e me ensinar técnicas de equilíbrio, onde ela segurava a roda dianteira entre as pernas enquanto eu sentia o ponto de equilíbrio. Penso que ela ficou satisfeita com o resultado e já me sugeriu que tentasse pedalar naqueles vinte metros de piso ao lado do prédio da recreação. E não é que consegui dar algumas pedaladas, depois de muitos erros.

E mais uma vez ela pensou em avançar e perguntou se eu queria tentar na pista, mas subindo.

E lá fui eu, ladeira leve acima, num percurso de pouco mais do que 100 metros. E na primeira vez fui mal. Na segunda eu já fui bem mal, com três ou quatro apoios de pé depois que eu pedia o alinhamento. E eu já ia parando quando o Vitor, meu padrinho da academia, apareceu. E ela fez a maior propaganda de minha atuação. E ele quis ver. Achei que ia passar vergonha, como criança preocupada com o adulto olhando, mas esqueci de que ele estava lá e me comportei como uma adulta, realizando o desejo da criança que não teve bicicleta para aprender a pedalar. E pedalei pelos pouco mais de 130 metros, sozinha, com a Sol correndo ao meu lado. E foi todo um êxito, para mim e para minha excelente professora. Penso que ela também ficou muito satisfeita em me ajudar a conquistar mais este sonho, ultrapassando mais uma barreira do medo. E amanhã tem mais.

E já estava em cima da hora da ultracavitação, que hoje foi com a Sibele porque a Ana estava de folga. Mas como eu já disse: "os funcionários daqui são escolhidos a dedo, são excelentes profissionais e de ótima educação e humor". Parabenizo a administração por isso. E nota-se que eles trabalham com alegria e prazer. Isso só um bom clima organizacional conquista. E se deve à forma de administrar, normalmente, ou a excelente competência dos profissionais mesmo.

E novamente era hora de comer. Hoje minha companhia de todas as refeições foi a Lu, que chegou ontem. E o jantar foi file de peixe com tomate e arroz negro, após uma salada de alface com um pedaço de manga. E uma torta de morango de sobremesa. E perguntei para a Dra. Ellen porque algumas pessoas marcam vários números na hora de escolher o cardápio. Ela me explicou que são os hóspedes com dieta de 1300 calorias, ou livres.

Nada nada, hoje foi um dia de muito gasto energético e estou feliz de estar fazendo jus ao dinheiro empenhado. Mas, vou lhes dizer, a cortesia da equipe de recreação me ensinando a pedalar será realmente o ponto alto dessa jornada, porque é o inesperado, a surpresa, o 'plus'. E isso é realmente maravilhoso. Só tenho a agradecer.

Dia 9

Sabe que hoje notei que o cordão de meu moletom está mais comprido. Achei muito estranho, porque o mais comum é as roupas encolherem, né? Kkk

E outra coisa foi que descobri porque o banco da bicicleta é chamado de selim: porque ele ficou gravado em minhas nádegas como um selo. Ainda dói. Mas a alegria supera a dor.

E lá fui eu fazer minha caminhada diária depois do café da manhã. E fiquei pensando: 'quando passeio a pé nas viagens, faço em média sete quilômetros por dia, mas durante todo o dia. Aqui estou fazendo mais do que seis em uma hora e quinze no máximo. E hoje acrescentei a observação da respiração em quatro tempos, além da pisada, ombros e cabeça. É muita coisa para tentar me policiar e melhorar minha postura. E hoje minha frequência cardíaca chegou a 120 batimentos por minuto. Um pouco alto pela zona alvo calculada.

E quando cheguei ao quarto, nem entrei porque já era hora do lanche. Comi e fui vestir o biquíni para fazer a hidroginástica. E hoje foi bem aeróbica, com muitos exercícios de braço e perna. E como são poucos os abdominais, e acho que na água são mais fáceis de executar e fiz 940 deles após a aula, que foi na piscina aquecida interna porque o dia inteiro esteve frio.

Novamente tomei um banho rápido e já era de comer uma sopa de espinafre, acho. E depois lombinho com abacaxi e purê de batata. A sobremesa foi bolo prestígio diet.

Às 14horas teve início a aula Gourmet e hoje ensinaram a fazer polpa de tomate, colocando sete tomates maduros com um pouquinho de água para ferver. E quando ele estiver mais amolecido, bater no liquidificador e peneirar. Essa polpa pode ser congelada. E para preparar o molho eles acrescentam três colheres do tempero mágico abaixo descrito, e voltam a ferver para dar o ponto, acrescentando uma colher de azeite após tirar do fogo.

O tempero mágico que serve para marinar carnes em geral, temperar molhos e outras coisas mais é constituído de:

- 2 cebolas médias

- 7 dentes de alho

- 1 (copinho de café) de pimentão vermelho

- 1 (idem) de orégano

- 1 (idem) de manjericão

- 1 (idem) de salsa

- 1 (idem) de alho porró

- 2 folhas de louro

Bate tudo no liquidificador e coloca uma (colher de café) de sal. Este tempero pode ser deixado na geladeira por uma semana, dede que colocado o sal, e usar em quase todos os pratos. As ervas são frescas e o tempero é caseiro, sem conservantes e pouco sal. E não deve ser acrescido mais sal na hora de cozinhar.

Tive um pequeno intervalo para resolver uns problemas com a próxima viagem e já era hora do Pilates. Cheguei antes para ver a palmilha que o Dr. Marco, osteopata, fabrica, mas ele não deixou amostra. Assim, não pude verificar se atende às minhas exigências para encomendar. E vejo as aulas de pilates e hidro como muito prazerosas já que trabalham respiração, músculos e correção de postura. E saio contente da aula. Sinto que cumpri meu objetivo de saúde.

E cheguei tarde para a aula de bicicleta, pois já eram quase 17h30 e às 18 horas é o meu jantar. Mas acabei fazendo quase uma hora de bicicleta com a Solange, enquanto o Davi ensinava a Mirela, menina de 11 anos. E hoje me senti triunfante, pois consegui subir e descer a pista, e aprendi a usar o freio de mão, já que este não é um movimento ou recurso que meu cérebro esteja acostumado. E percebi que meu equilíbrio melhorou, já que pedalei por trechos maiores e estou conseguindo realinhar a bicicleta. Como disse a Sol, que se mostrou extremamente satisfeita e alegre, estou superando um limite. E ela está sendo fundamental neste processo.

E acabei me atrasando para o jantar que foi um peixe feito moqueca com arroz integral, uma rodela de laranja e escarola refogada. E uma tortinha de sobremesa.

E tive que ir direto para a reflexologia com a Silvia, que apertou meu pé com gosto, mas que proporcionou tremendo bem-estar ao corpo. E o pé não ficou doendo. E ainda me ensinou a achar o ponto G4, na mão, que eu uso para diminuir a dor de cabeça.

No quarto de volta só tive tempo de falar com minha mãe no What'sApp e já era hora do lanche de novo.

Hoje descobri que são 42 cardápios com carne, todos com três combinações diferentes. E ainda tem os cardápios vegetarianos, que não sei quantos são. E percebi que toda refeição inclui algum item que exige maior mastigação, o que aumenta o tempo de consumo do alimento e proporciona maior saciedade.

Acho que estou fazendo o melhor dentro de minha proposta, de emagrecimento. E, com isso, não tenho mesmo procurado me entrosar muito nos grupos que vão se formando. Para evitar perder tempo com conversação e com comparação. Converso só com quem está me prestando serviço, e aí, as conversas têm sido muito proveitosas.

Dia 10

Hoje comi só três itens no café da manhã, já que nos lanches não estou conseguindo ficar com um só. Mas tenho feito pelo menos 4 horas de atividades diárias, e isto deve valer alguma coisa.

A rotina da manhã se manteve, com caminhada e hidroginástica, só se alterando porque hoje, depois da hidroginástica, fiquei caminhando meia hora na piscina e conversando com o Marcio, de Mato Grosso, vindo direto de Rondonópolis, e que vai embora no próximo domingo, completando 26 dias no SPA. Ele é muito esforçado, e passa a maior parte do dia na piscina, caminhando e se exercitando.

Hoje o almoço foi salada, pucchero com batata doce e um manjar de damasco. Quando vejo a porção do prato principal e acompanhamento perdida no enorme prato, costumo juntá-la toda para ter a impressão de maior volume. Creio que necessito comer em prato de sobremesa mesmo. E almocei com a Camila e com o Marcio, e conversei bastante com ela já que ele terminou logo o almoço e se foi. E nossa conversa foi muito agradável.

Tive um tempinho de descanso precioso hoje, até às 15 horas, dai fui tomar meu lanche, e nem tinha feito a digestão do almoço ainda. E se constituiu de uma torrada com azeite e orégano e um copinho com gelatina e duas ameixa secas.

E logo fui procurar a bicicleta. Tirei-a do suporte, coloquei o capacete que já estava ajustado para mim e lá fui eu ladeira acima. Minha maior dificuldade estava sendo achar o segundo pedal. Assim que consigo, já estou pedalando sozinha. E conseguindo acertar a bike quando ela desalinha. E depois fui assim, motorizada, até a recepção passar uma informação. E quando voltei, nessa parte que é bem plana, consegui fazer a curva e entrar na descida. Outra vitória. E mais um avanço. Numa das descidas percebi duas pessoas me olhando na pista. Mas não me atemorizei e desci direto até eles, sem nenhuma queda. E ali chegando encontrei o Davi e a moça da boutique, que me parabenizaram. É um estímulo e tanto. E no final de uma subida, lá estava a Luci, da suíte primavera, e também se manifestou me entusiasmando. Quanta gratidão eu sinto por essa conquista que se está realizando. E por essa equipe de pessoas que me animam a continuar e superar meus limites.

Até a Cibele, da ultracavitação, logo após, às 16h30 comentou que tinha me ouvido, no final da tarde anterior, comemorando com a Sol, o Davi e a pequena Mirela, que também esta aprendendo. Pois aplaudimos nossa conquista, professores e alunas, bem atrás da sala de massagem dela. E a massagem de hoje foi até menos dolorida, uma porque me distraio conversando com as excelentes profissionais, e outra porque o corpo já está se acostumando.

Saio dali e vou para o quarto só pegar um agasalho. Esfriou, mesmo depois de um dia limpo e até ensolarado. E jantei novamente com o Marcio e a Camila. De novo uma salada, e um minestrone com carne. E o melhor bolo até agora, de abacaxi. Hummm. E a equipe da cozinha também é demais, em atenção e simpatia. E ficamos conversando sobre diversos temas, desde os tratamentos psicológicos e psiquiátricos daqui, passando por família, pets, e cabelo. E foi divertido novamente. Desta vez fui eu que me convidei para sentar com eles, coisa que não costumo fazer, por respeitar a liberdade dos outros. Só o faço quando não tem mesa vazia, mas hoje foi uma exceção de verdade.

Como está frio, já peguei o polenguinho e um iogurte do lanche das 21 horas e trouxe para o quarto. E daqui a pouco vou me esconder debaixo das cobertas e assistir um pouco de TV.

Dia 11

Gente, eu confesso que já estou me cansando. Todo dia tudo igual, só mudam mesmo as comidas, que continuam saborosas como sempre. Hoje tomei café da manhã com a Camila e o Marcio, e eles estavam muito saudosos dos familiares, e bem desgastados. Percebia-se em suas expressões um tanto melancólicas, mas ambos são muito determinados e não se deixarão abater por este sentimento. E eu também estou tentando criar variações para conseguir ficar mais uma semana. Uma coisa que me desmotivou ainda mais é que nos últimos três dias eu só emagreci meio quilo. E eu estou dando um gás danado nos exercícios diários. Passo em torno de quatro horas me exercitando, e no maior pique. Vou tentar reduzir o consumo de calorias e deixar mais próximo das 650 calorias diárias.

Depois da hidroginástica com a Lu hoje, que por sinal foi muito boa, já que ela mescla mais os tipos de exercícios e a aula fica mais dinâmica, eu fiquei conversando com a Maria, de São Caetano e sua filha, enquanto caminhava na piscina. E até entrei na brincadeira delas de achar um objeto perdido. Eu era quem lançava o objeto.

E tanto no almoço como no jantar de hoje, não pedi salada, e sim legume refogado, que vem junto com o prato principal e se mostrou um pouco insuficiente. Ou seja, melhor comer um pratão de salada, tem poucas calorias e sacia. O almoço foi Vagem cozida, arroz integral e filé de frango com um molho de mostarda, acho. E o jantar foi espaguete com camarão e chuchu refogado. A sobremesa do almoço foi bolo de banana e do jantar banana com creme de caramelo.

Hoje teve zumba de novo, e só tinha eu praticando com a professora Stefanie. É uma aula puxada e suada. E ela é uma gracinha. E como as coreografias foram as mesmas da semana passada, acompanhei melhor. E na próxima segunda tem de novo.

E depois lá fui eu pedalar. Hoje quem me tirou a bicicleta do suporte e me entregou o capacete foi a Lau. , mas peguei uma bicicleta diferente. Um pouco mais alta. E não sei como estava ajustada a marcha, de modo que ela estava bem mais pesada para subir. E eu não estava conseguindo achar o segundo pedal, de novo. E quando achava, não conseguia fazer a força suficiente para a subida, e assim fui parando até chegar numa parte menos íngreme, mas aí, quando consegui, fui embora, só enganchando na primeira curva, e depois firme nos 100 metros de plano, e nos 200 de descida do outro lado. Parava porque tem um degrau na curva e entro numa alameda de terra cercada de pinheiros por mais 100 metros. E depois conduzia a bicicleta no trecho mais íngreme até a altura da piscina para começar tudo de novo. E nisso, pedalei 1,5km, em três voltas completas que fiz. Já estou conseguindo corrigir o guidão sem parar e me manter mais tempo alinhada. Estou amando esta parte. Fiquei uns 40 minutos nessa brincadeira. Tive até que pedir para um pessoal sair da frente explicando que estou aprendendo.

E depois já chegou a hora da ultracavitação com massagem redutora, de novo com a Cibele. E mais uma hora e meia de boa conversa, sempre falando sobre superação de limites, de família, e da vida em geral.

E peguei de novo a ceia logo após o jantar, que hoje fiz com a Lu, de Caminas, e outra moça que não sei o nome. Não estou com vontade de ir até o restaurante às 21 horas. Estou bem cansada. Mas todo sacrifício será recompensado.

Dia 12

Hoje, durante a caminhada, pela segunda vez, senti um incômodo perto do cóccix, que parecia plastificado. Não era dormência, nem dor, nem ao menos perdeu a sensibilidade, só parecia que meu short tinha uma grande etiqueta colada em mim. E isso lá pela sétima volta. Depois que andei mais quase uma volta, a dor sumiu, e voltou a aparecer perto da décima volta. Mas some logo em seguida. Cheguei a pensar em exaustão muscular, se é que isso existe.

Resolvi entrar na dieta mais próxima às 650 calorias, e tirar o suco na hora do almoço e jantar, pois na primeira semana não estava consumindo, para ver ser melhoro o resultado até segunda-feira, e no lanche, estou consumindo só uma unidade.

A hidroginástica de hoje foi bem pesada e localizada, concentrando-se na região dos braços, com o professor Marcus. E depois fiz 600 abdominais na piscina, antes de vir para o quarto tomar meu banho para ir almoçar.

E no almoço comi salada, uma moqueca de camarão e farofa, com bolo de festa de sobremesa. E hoje juntamos Marcio, Camila, Daniela e eu. Depois, quando o Marcio foi embora, chegou a Flávia, e as conversas foram muito produtivas, já que a Daniela estava nos ensinando muitos princípios do budismo, e temas como perdão, raiva, amor próprio - e como lidar com tudo isso de maneira positiva - foram abordados. E acho que todos nós saímos dali com novos argumentos para reflexão e reposicionamento em algumas situações da vida.

E logo às 14 horas tinha a Experiência Gourmet, e hoje foi feita a torta de morango que eu pedi para aprender. E fiquei encantada com o resultado. Além de ser de fácil execução, não demora nem uma hora para ter uma sobremesa gostosa e linda, que impressiona. A Aline, cozinheira, disse que sempre faz esta sobremesa para levar em ocasiões especiais, quando quer impressionar a família. E se podem usar outras frutas como abacaxi, uvas, kiwi, manga. Acredito que ficaria muito bonita colocando um pouco de cada uma e acrescentando figos e pêssegos em calda diet. Uma sobremesa natalina. E o melhor é que pudemos comer um pedaço cada substituindo o lanche da tarde.

E dali eu já corri para a bicicleta, e hoje a Lu me ajudou a pegar a bike e foi andar comigo, me dando algumas dicas preciosas para fazer as curvas e passar em lugares mais difíceis. E dei três voltas novamente. E já agora ganhei um arranhão na panturrilha, no mesmo local que o pedal já tinha deixado roxo ontem. Sinto-me cada dia mais confiante, mas, como disse ela, estou sendo muito cuidadosa, não quero nem pensar em cair.

E depois sai correndo para o pilates. E cheguei lá tão suada, apesar de ter passado no quarto para me lavar, que a Elisângela teve que pegar uma toalha para eu me enxugar. E a aula foi muito boa novamente, explorando braços, pernas e abdome.

E logo tinha também a aula de dança, que não posso perder, com mais alguns passos da gafieira, e hoje aprendemos o passo do malandro. Aprendi fazer o papel de dama e de cavalheiro, já que só havia damas na aula. E curtimos muito, e todos aprenderam bem o passo, já que a professor é muito didática.

E nem deu tempo de tomar outro banho para jantar, e hoje tomei um caldo escuro, depois comi um nhoque de abóbora com ricota e amêndoas. E um bolo coberto de doce de leite para completar. E novamente ficamos conversando sobre relacionamentos e aprendendo um pouco mais sobre nós mesmas. O Marcio sempre se retira rapidamente, e a Flávia não apareceu.

E agora vou ter que ir buscar a ceia, já que me esqueci de trazer para o quarto. E depois tomar outro banho e relaxar. Amanhã minha filha mais nova vem passar o final de semana comigo. Estou feliz.

Dia 13

Acho que estou exaurindo minhas forças e levando meu corpo além de seus limites. Esta noite tive muita dificuldade de dormir, e depois que consegui acordei muitas vezes por causa do corpo cansado. Não são dores localizadas, é mesmo como um desgaste total, aqueles que dizemos: "estou só o pó".

Mas ainda assim acordei animada. Hoje minha filha caçula está chegando. E vem para dar um novo colorido aos meus dias. E no café da manhã estavam todos mais animados, o Marcio porque só falta um dia para ir embora. A Camila estava mais serena, e a Daniela muito animada com suas descobertas. E, no fim, fiquei conversando com a Dani até 9h30. Decidi não caminhar hoje e fazer exercícios que poupem um pouco as articulações das pernas. E logo fui caminhar na piscina, e em seguida começou a hidroginástica, também voltada para os braços. E depois da hidro continuei andando na piscina, tentando somar uma hora de caminhada, para compensar o que não fiz na pista. A caminhada na piscina não força as articulações, mas deve-se tomar cuidado com as posturas, já que a água distorce os movimentos, e pode causar lesão se apoiar incorretamente os pés, por exemplo.

No almoço juntamos os quatro novamente, e todos pedimos bacalhau, o meu com guarnição de legumes, mas eu tinha pressa, ansiosa que estava com a chegada da Brenda. E marquei uma hidratação para os cabelos, que foi cortesia do Centro de Estética para o dia de hoje, para as 14h30 horas. E quando eu iniciava o procedimento ela chegou. E a Camila, da recepção, foi levá-la para conhecer todo o SPA, e depois fazer a revista na bagagem, no quarto. E foi nessa hora que voltei para meus aposentos. As camas foram separadas na arrumação da manhã, de modo a dar maior liberdade para cada uma. E toalhas e roupão já foram deixados sobre a cama dela.

Tomamos junto o lanche da tarde e depois fomos nos preparar para piscina novamente, já que ela queria tomar sol. E o engraçado é que, desde que chegou, as pessoas que aqui estão, tanto hóspedes como funcionários achegavam-se a ela perguntando:

- Você que é a Brenda?

- Sim, sou eu, muito prazer - estou me sentindo como o Harry Potter quando chegou a Hogwarts, me confessou.

E eu fiz outra aula de hidro enquanto ela tomava sol. E nessa aula o foco foram as pernas. E logo em seguida pegamos as bikes e fomos pedalar. Quem lê pensa!!! Kkk Mas fato é que estou cada dia melhor. A Brenda até filmou para provar. Pode ir lá ao meu Instagram @lessameyre ou no meu perfil do Facebook: Meyre Lessa, que poderão comprovar. E ontem fiz quatro voltas completas, mas sempre caminhando no trecho mais inclinado, de uns 150 metros de subida.

E terminamos na hora do jantar. E o cardápio dela foi salada, sopa e sobremesa. Ela reclamou da falta de sal, e pediu pimenta biquinho para dar mais sabor. Resolveu fazer a dieta das 650 calorias, e não achou insuficiente a alimentação como pode parecer. As quantidades não são tão poucas se somarmos a entrada com o prato principal. O que as diferencia são as combinações e escolha de alimentos menos calóricos.

A noite estava deliciosa, e por isso decidimos não levar o lanche para o quarto na hora do jantar. Voltamos para o quarto, tomamos nosso banho e conversamos um pouco, e falei com minha mãe por vídeo do What'sApp. E viva a tecnologia. E logo voltamos para a ceia. Nós estamos pegando somente um item em cada intervalo alimentar, eu só pego um a mais do que a dieta de 650 calorias permite. No desjejum. Então devo estar fazendo 680 calorias. Aboli o suco nas refeições e espero que isso reflita na diminuição do peso. Segunda-feira eu pesarei de novo, e depois só no dia de sair.

A Brenda passou pelo ambulatório logo depois do jantar, e teve aferidas a pressão, a temperatura e a oxigenação, além da pesagem. E já passou pela consulta médica. Disse-me que gostou muito do doutor Henrique. E a noite terminou com a gente assistindo Master Chef. Nada interessante para quem está fazendo dieta restritiva.

Dia 14

Mesmo com a Brenda aqui, mantive a rotina. E ela quis fazer a dieta de 650 calorias. Depois do desjejum fomos caminhar, e eu fiz 4,9km, enquanto ela deu somente quatro voltas porque tinha avaliação com a personal. E conversando, acabei diminuindo a velocidade da caminhada. Terminei ao mesmo tempo em que ela saia do ginásio. E já fui me preparar para a hidro enquanto ela se besuntava de óleo para tomar sol na beira da piscina.

A hidro foi com o Luís, e a sequência de exercícios dele já está decorada. No final, um dos hóspedes até comentou que não faria mais a ginástica se fosse ele o orientador, pois achou muito leve.

O almoço foi uma salada verde com couve-flor e depois um filé de salmão ao molho de cogumelos acompanhado de arroz integral. E a esperada sobremesa foi um bolo de chocolate. Estava tudo muito gostoso. O Marcio já foi embora, e hoje ficamos somente em três na mesa. Camila, Brenda e eu.

Como só ia ter atividade às 16h15, fomos para o quarto e a Brenda tirou um cochilo enquanto eu escrevia. E só despertou na hora do lanchinho, que foi só uma torradinha com creme de ricota.

E minha filha resolveu fazer a hidro comigo, e só estávamos em quatro pessoas na piscina e a aula foi uma delícia. Foi o primeiro circuito que peguei desde que cheguei. A gente vai trocando de equipamento e mudando o exercício. É bem dinâmico. E não sei o nome da professora, mas gosto da aula dela.

E a Brenda constatou que não sabe tomar sol. Fez uma faixa vermelha de alto a baixo no meio das costas. Achei que pareceu um parmesão, mas faixa vermelha.

E logo às 17 horas eu tinha outra sessão de reflexologia. Fui de roupa molhada mesmo, mas escorrendo pelo caminho. E este procedimento me ajudou a dormir melhor nessa noite, e talvez também porque não exagerei nas atividades e curti um pouco mais minha filha. E enquanto eu estava na massagem, ela estava correndo na esteira, no ginásio.

A noite terminou com a gente assistindo Masterchef, antes e depois do lanchinho, que escolhi melão com uma castanha do Pará. Mas, de madrugada, depois que levantei para ir ao banheiro e tentava dormir de novo, senti um bicho andando em meu braço. Aproveitando os golpes de boxe na água, que aprendi com o professor Luís, dei um mortal e joguei o bicho longe, entre as camas, e fiquei pensando ser um besouro ou coisa assim, já que percebi, no escuro, que era grande, pela sensação na minha pele. E ligeiro.

E quem não dormiu muito bem nesta noite foi ela.

Ah. E quase ganho uma adivinhação do grupo de recreação: Quantos metros de barbante tinham dentro do vidro? A resposta era 31,7. Alguém acertou com 32. Eu arrisquei em 36 metros. E teve gente que colocou 1000 metros.

Dia 15

Levantamos uma hora mais cedo para que ela pudesse sair daqui no máximo às 7h50, já que entra para o trabalho às 8h30. Logo que a Brenda foi para o banheiro, notou uma barata morta, com a barriga para cima, perto da porta do banheiro. Aí que fui saber que bicho percorreu meu braço esquerdo. Que nojo! Mas estamos em um espaço muito arborizado. Essas coisas acontecem.

Fomos ao ambulatório fazer as aferições diárias e ela ficou toda feliz porque emagreceu 2 kg no fim-de-semana. Eu disse que deve ter sido, principalmente pela restrição de sal, que retém líquidos.

Já passamos na recepção para que pegassem a bagagem e o carro dela, e fomos para o café da manhã. Com os mesmos itens de costume. A Camila estava conosco novamente. Mas eu nem tomei o café, achei melhor fazer após levá-la até a saída, e comer com calma posteriormente, mesmo sendo pouco. E daí a Daniela já se juntou a nós.

E hoje fiz só 3,6km de caminhada, mas aumentei a velocidade para 5,5km por hora. Fiz duas aulas de hidro, e reclamei com o Luís que eu tinha decorado a sequência. E ele mudou e a aula foi muito melhor mesmo, recebendo meu agradecimento e elogio no final da aula. Melhor falar direto com ele do que ficar reclamando por trás ou na administração.

A faxineira responsável pelos cuidados de meu quarto também é muito prestativa, e já providenciou a limpeza do quarto, jogou inseticida e uniu as camas, ao meu pedido. E todo dia encontro tudo arrumadinho e gostoso, proporcionando um prazer e bem-estar nos momentos que preciso do quarto, entre as atividades ou na hora de descansar.

Não tive vontade de fazer a aula de zumba à tarde. E dormi. E depois da segunda aula de hidro fui pedalar. E a Sol me acompanhou. E me deu uns impulsos que me fizeram subir pedalando a subidona. E acabei fazendo quatro voltas completas. O que me deixou extremamente feliz.

E no horário do jantar, conversamos sobre as peripécias da Vitória, a cachorrinha fujona da Luci, que estava de castigo por ter fugido duas vezes do quarto. E ela ainda contou que ela se faz de machucada para despertar a compaixão e não levar bronca. São quase igual gente, que gracinha.

E as refeições de hoje foram, no almoço: sopa de ervilha, peixe com brócolis e bolo de banana. Não comi o lanche da tarde, e o jantar foi uma porção de cogumelos, sopa com frango desfiado que comi com pimenta biquinho, e torta de damasco. Durante a sobremesa a Sol veio nos convidar para a palestra. Depois lhe chamei e disse:

- Uma dica, quando vier falar algo o faça durante a entrada, ou o prato principal, mas nunca durante a sobremesa se quiser atenção. Rs

O doce estava tão bom que até fingimos estar chorando, quando na verdade estávamos gargalhando, para convencer a Carol a nos dar mais um pedaço de torta. Mas não funcionou. Só serviu mesmo para desopilarmos o fígado com tanta risada.

E como dormi à tarde, não trouxe o lanche para o quarto e fui buscar às 21h, depois de tentar acertar um assunto com o Sol, sem sucesso. E peguei duas bolachinhas de arroz com geleia de goiaba e um potinho de banana com maçã e aveia. E tomei chá. E agora penso em ver Netflix, para relaxar e começar tudo de novo amanhã.

Ah, e hoje passei com a Dra. Ellen e a Dra. Julia para saber meu peso, e emagreci 6 kg. Foi melhor que o resultado anterior. Ou seja, uma média de 250 gramas por dia, nos últimos quatro dias.

Dia 16

Passada a rotina diária, me atrasei para a caminhada por conversar demais com as meninas. Mas acho que as conversas estão sendo produtivas, e isso, para mim, faz parte de um processo de saúde e cura pela correção de posturas emocionais. Alegria é um santo remédio.

A hidroginástica de hoje foi com o Reinaldo e ele usou dois aparelhos alternados, o que deu muito dinamismo a aula, e foi muito apreciada. E depois da aula, a Mirela e a Lu ficaram me ensinando umas técnicas para aprender a nadar, com a pranchinha. Estou mais enturmada, e isso está me fazendo bem.

Como eu sabia que tinha aula de Pilates às 16 horas, tomei meu banho antes do almoço. Estou bem bronzeada, mas só de fazer as atividades no sol, como eu disse para a Lu quando ela perguntou se eu não ia tomar banho de sol. Não tenho paciência para ficar na cadeira, deitada, fazendo nada.

O almoço foi salada com um damasco, e risoto com frango desfiado e um creme de chocolate para finalizar. E depois do almoço fui ao que eu chamo de boutique, porque queria comprar um biquíni para mim. Eu peguei algumas peças e trouxe para o quarto, achando um que me agradou. Acho fundamental a existência de uma loja como esta no SPA, já que, os que ficam aqui muito tempo, sem poder sair, emagrecem e ficam com as roupas largas e desconfortáveis para o dia a dia e as atividades físicas. E fiquei muito triste ao saber que a atual contratada só estará até o dia 10 de outubro. Uma porque gostei muito dela, outra porque achei que pratica preços justos, e por último por ser mesmo uma necessidade. Mas não imagino o que a administração pretende realizar com o espaço. Talvez só trocar o empresário.

E lá fui eu para mais uma experiência gourmet. Hoje nos foi ensinado preparar o filé de frango ao molho de cogumelos e o brigadeiro diet. Como sempre, as receitas são muito fáceis e rápidas, deliciosas, e a Aline é simplesmente um encanto de pessoa. E estávamos em cinco hóspedes assistindo a aula, mesmo considerando que, no momento, o SPA está com apenas 32 hóspedes. Creio que 30% de sua capacidade. Mas a rotatividade é grande, e todo dia vai e vem gente.

Troquei meu lanche da tarde pelo brigadeiro, e não me arrependi nenhum pouco. Estava mesmo excelente.

Após essa aula, aproveitei para marcar para amanhã um exame similar à bioimpedância, mas muito mais eficiente, segundo o Vitor. E também marquei para fazer a avaliação de medidas.

E logo chegou a hora do Pilates. E a aula começou muito bem, mas uma dor na coluna - que atribuo ao colchão de molas, um pouco mole, que não me sustenta bem o corpo de lado para dormir, e acabo dormindo de costas por tempo demais e forçando a coluna - simplesmente me travou. A doce Dra. Elisangela passou então uns exercícios com a bola, para relaxar. E mais um em outro aparelho, para alongar a lombar, mas logo concluiu:

- Você está sofrendo. Vamos fazer uma analgesia.

E me levou para outra sala, e fez massagem, usou o ultrassom e ventosas, que doeram demais. Mas já ajudaram a relaxar a região e já saí dali me sentindo melhor. E coo se não bastasse, ao constatar minha reclamação, me acompanhou até o quarto, verificou o colchão e ligou para o setor responsável pedindo a troca. E ainda me deixou, novamente, uma bolsa de gel para fazer compressa quente, recomendando que diminuísse a atividade de amanhã se a dor prosseguir. E procura-la para outra analgesia, se for o caso.

E enquanto eu jantava a eficiente equipe de manutenção fez a troca dos colchões, e colocaram um de bambu, a seu pedido. E eu já vi que me acomodarei melhor.

No jantar me foi servida a salada costumeira, que acho que sustenta mais e sacia, como já falei. E uma sopa de mandioca com carne. Como sempre, maravilhosas. E a sempre tão desejada sobremesa foi um manjar com calda de frutas vermelhas. E depois fui conversar um pouco com a Flávia e a Daniela, na beira da piscina fria, acerca de minha decepção no dia de hoje. Mas o motivo desta eu contarei na conclusão, até porque minha estadia já está acabando.

Dia 17

Levantei com menos dor e depois das atividades iniciais, encontrando a Elisângela toda atenciosa e preocupada logo cedo, fiz uma caminhada bem leve, andando a 4,5km/hora. Quase um passeio, e constatei que essa é a velocidade ideal para manter-me na minha zona alvo de frequência cardíaca, a zona de segurança do coração.

Decidi não fazer nada além desta caminhada e da aula de dança no final da tarde. Também queria passar no cardiologista, o doutor Luís, para que me esclarecesse melhor como lidar com a frequência cardíaca baixa e a tal da zona alvo. E na nutricionista, a doutora Ellen e a Doutora Julia, para que finalizassem meu perfil e passassem as recomendações para a rotina no mundo exterior. E ela me recomendou uma dieta de 1200 calorias, com um livrinho e um programa alimentar com exemplos de alimentos para cada refeição.

Foi um dia realmente de descanso e bate-papo. Tanto que acabei por esquecer a massagem relaxante no final da tarde. Fiz nova verificação de medidas no ginásio e o exame denominado bodymatrix, que é um ultrassom, que mede a quantidade de água, gordura e massa magra do corpo, ficou para a manhã seguinte.

Na noite deste último dia ocorreu um Fórum, muito interessante e esclarecedor, onde os responsáveis pelas principais áreas de atividades do SPA, bem como seu diretor, abrem espaço para o questionamento dos hóspedes. E a gente aprende até coisas que não tinha dúvidas por desconhecer. Só achei muito longo. Começa às 20h15 e não tem hora para acabar. Eu penso que, como as demais palestras que acontecem ao longo da semana, tinha que determinar previamente um tempo. E uns quinze minutos antes do encerramento, por exemplo, às 22 horas, papel e caneta seriam oferecidos para cada participante anotar alguma dúvida que ainda restasse, e a resposta seria enviada para estes no dia posterior, por e-mail ou What'sApp. E às 22h15, duas horas após o início, seria encerrado o fórum. Eu mesma saí antes, já que levanto todo dia cedo para aproveitar melhor o dia com as atividades. E de noite preciso recuperar as energias, relaxando um pouco antes do sono. E ficar ali, como numa sala de aula, que é quase o formato, é extremamente interessante, mas acaba mantendo nossa mente muito ativa até muito tarde.

Mas antes de sair aproveitei para fazer público meu agradecimento por ter aprendido a pedalar com a equipe de recreação. Foi, com certeza, a melhor coisa que tirei destes dias no SPA, porque foi uma surpresa. Ficou além da expectativa que, por sinal, no mais foi atendida. E eu não tenho palavras para expressar toda a minha gratidão por essa superação de limites com a ajuda da Solange, da Lau e do Davi. É muita alegria.

Terminei a noite tirando umas fotos com a Solange e a bicicleta e fui descansar para levantar ainda mais cedo, pois no dia seguinte tinha a avaliação com o bodymatrix às 8 horas.

Última manhã

Minha avaliação revelou que tenho uma taxa basal alta: 1700 calorias é o que necessito para viver. E isso me deixa cheia de dúvidas quanto à eficácia de meu regime com apenas 750 calorias em média, diária. Já que eu estava fazendo mais de 4 horas de atividades diárias, e ouvi falar em um processo onde o corpo diminui o consumo energético ao máximo, achando que você está em sofrimento pela baixa ingestão de calorias. Será que isso podia estar me acontecendo?

Fiz novamente minha caminhada, acertei minhas contas, levaram minhas malas para a recepção, e terminei almoçando com as meninas, com quem fiz amizade e compartilhamos medos e alegrias nos últimos dias. Entendi essa vivência como um curso, onde me ensinaram muitas coisas a respeito de como lidar com meu corpo e minha alimentação para ter uma vida mais saudável. E aprendi algumas coisas sobre minha mente e a mente humana. E espero levar este aprendizado para a vida. Quanto a voltar um dia para um SPA? Eu considero que seria como repetir o ano. Espero não mais precisar.

CONCLUSÃO

Minha estadia foi excelente no ponto de vista de meus propósitos e resultados alcançados. Foi surpreendente em relação ao aprendizado de pedalar, que era um sonho quase impossível, e que se fez realidade através da maravilhosa equipe de recreação, que faz de tudo para que nos sintamos confortáveis e bem-vindos. Foi também incomum encontrar tantos funcionários prestativos, simpáticos e sorridentes, passando-nos a impressão que gostam de trabalhar uns com os outros e têm o dom do bom atendimento. E olha que falo isso com conhecimento de causa, tendo administrado várias equipes de atendimento bancário. É muito difícil alcançar esse grau de simpatia. Desde os jardins limpos e bem cuidados, a rapidez de ação do pessoal da manutenção, o esmero das camareiras, a cortesia das garçonetes, o cuidado com as refeições e o sabor delicioso de pratos tão restritos em quantidade, que com equilíbrio chegam como a principal oferta de emagrecimento do SPA (é para mim o principal produto que oferecem). E depois as equipes terceirizadas, oferecendo acessórios que nos vem tirar do sedentarismo, e complementando a dieta para alcançar a saúde tão desejada: o ginásio e seus treinamentos personalizados, a fisioterapia com outras ofertas, adequadas a outros perfis, mas também individual e personalizada, e a estética, completando o quadro de cuidado com a aparência e promovendo o autocuidado e desenvolvimento da autoestima e amor próprio. E também ao pessoal do ambulatório e recepção, sempre prontos a solucionar qualquer problema e nos atender com cortesia e conhecimento, incluindo aí as especialistas em nutrição e dos emaranhados da mente. Equipe nota 10 para uma estadia nota 1000.

O que me decepcionou, no entanto, foi observar a incoerência no discurso e na prática administrativa. O SPA é um local para cuidar da saúde do hóspede. E tem como ideal ajudar-nos a conseguir a saúde através da perda de peso e de medidas, aprendizado de hábitos de vida mais saudáveis tanto do corpo como da mente. No entanto não têm a mesma preocupação com seus funcionários e terceirizados. Estes não têm plano de saúde, e quando precisam dos serviços aqui oferecidos, têm um custo reduzido comparativamente ao mercado de saúde externo. Ou seja, a saúde é só para quem pode pagar.

Também soube que os funcionários tinham ginástica laboral antes de iniciar o dia de atividades, mas já tem dois meses que o professor saiu e ainda não foi substituído. As organizações modernas já adotam mesmo esta prática, pois entendem como uma ação preventiva de saúde, sendo mais benéfica para ambas às partes.

Observei, como já comentei, um sistema obsoleto de agendamento das atividades. Em plena era da tecnologia, o agendamento é feito em papel, tanto para o hóspede como nos setores. Imaginem que chique seria se, a agenda fosse única nos sistema, e fosse alimentada por cada setor, apresentando a evolução do hóspede, e os compromissos agendados por ele. Não haveria a possibilidade de encavalar atividades. E cada setor poderia consultar também agravantes, como uma distensão muscular que ocorresse, podendo personalizar ainda melhor o atendimento, sem necessitar ser informado pelo próprio hóspede. E seria chiquérrimo receber uma mensagem no What'aApp informando que sua próxima atividade começa em meia hora, por exemplo.

Fiquei sabendo de um sistema de bonificação por setor, que achei louvável, com exceção à forma de aplicação. É mais eficaz o resultado quando as equipes são formadas por pessoas de células de trabalho diferentes. Assim, você não será prejudicado por estar numa célula de pouca ou de muita evidência dos hóspedes, que são os avaliadores. Porque, para que o todo funcione em harmonia, cada parte tem que cumprir o seu papel. É assim no corpo humano, não tendo um órgão menos importante que outro, mesmo que eu desconheça a importância do baço ou da vesícula, e nem saiba onde eles se encontram dentro de mim, eles têm sua função, talvez não vital como a do coração e do cérebro, mas importante para o bem-estar geral. E quando um órgão falha, a gente tenta remediar, e não massacrar o órgão e nem extirpar, a não ser em último caso. Não é difícil criar um sistema e controle que beneficie as equipes. Os demais membros tentarão orientar qualquer um que não obtenha os resultados desejados, e se este não se ajudar, a equipe sugere o remédio ou o corte. Se meu quarto é o 10, e tenho uma camareira do dia e uma da noite responsável pelo meu quarto, tenho um padrinho no ginásio, uma madrinha na recepção, posso ter uma garçonete que me serve de dia e de noite, e o funcionário da manutenção responsável por minha ala, toda crítica ou elogio que eu fizer a um serviço, reflete na pessoa responsável pelo meu cuidado, e portanto, na equipe daqueles funcionários. Falei tudo isso porque creio que pode ser útil para algumas pessoas que me acompanham, e espero que o seja também para a administração do SPA, que desejo que me leia e avalie o que pode ser aproveitado, já que desejo que continuem tendo sucesso, mas com coerência no discurso.

Administrações déspotas e antiquadas costumam obter bons resultados parciais, mas com grande prejuízo dos recursos utilizados, principalmente os humanos. E isso acaba por gerar, além de adoecimento dos funcionários, alta rotatividade e demandas trabalhistas.

Por outro lado, lideranças naturais, pontuais e preocupadas, elogiam publicamente e corrigem em privado. São parceiras sem perder a autoridade, são liberais e não autoritárias. Estão atentas às sugestões de quem faz e premia as boas ideias. E obtém resultados ainda melhores, porque possui um ótimo clima organizacional, e evita doenças, rotatividade e demandas, simplesmente por cuidar dos órgãos vitais da máquina empresarial, com respeito e coerência.

Não posso chegar a nenhuma conclusão sobre a administração do local porque não tive contato com estes, só pude observar os resultados, e também fiquei sabendo que alguns dos pontos que levantei já estão com projeto de melhoria ou em implementação. Que ótimo. Porque torço para que o negócio siga adiante, e cada dia melhor.

Fica a dica!

O mundo está mudando, mas nem todos ainda se deram conta disso.