A SEMANA EM BEJA

12/07/2019

SEGUNDA

Não vieram instalar a antena da MEO hoje, como previsto. Então estou pondo em dia as escritas para o blog, usando o Word mesmo, e se eles vierem amanhã a tarde, como prometeram, já posso publicar e tenho mais distrações e os contatos virtuais que tanto me fazem falta, com meus queridos amigos e familiares. Passei a tarde escrevendo sobre a última semana. Isso me faz tão bem.

E à noite eu programei o relógio para o horário do por do sol, sai de casa e fiz belas fotos.  Ele se escondeu às 20h58. O céu não tinha uma nuvem.

TERÇA

Hoje preciso ir a Beja, enquanto espero a chegada do táxi sentada no banco de concreto em frente a minha casa, um vizinho vem me cumprimentar. Senta no banco ao meu lado, mas não fala nada. Me despeço dele quando o táxi chega.

E voltei ao Banco para finalizar a atualização de cadastro e outros itens mais. Mas o cartão para a movimentação da conta ainda não chegou. Voltarei na quinta.

E este monte de laranjeiras? O que será que fazem com as frutas maduras? Não têm frutas caídas no chão. Mas está cheio de frutas no pé e ninguém pega.

Preciso encontrar a manicure que a atendente da MEO me indicou, depois de ter observado as lindas unhas de gel que ela usa. Fica no Jardim do Bacalhau.

E no caminho vou comprar uma chaleira ou caneca para ferver água, com bico, pois estou sentido falta de um bico, kkk. Eles a chamam de fervedeira. Preferi esta à chaleira pois nela posso aquecer o que eu quiser. A chaleira é mais limitada. E comprei um triturador de pimenta ou sal, para usar com o sal marinho que comprei, do tipo que minha mãe andou querendo comprar. Meio escuro, como o fornecido ao gado.

E achei a manicure. Marquei para quinta de manhã. Pedicure completo, com calos, lixa, e unhas, 17 euros. Acho que corresponde a uma podologia. Se fossem só as unhas, seria mais em conta. Manicure normal por 6,50 euros. Não está tão caro assim, o serviço de manicure. O pé, passada esta vez que já tem mais de 40 dias recebendo só os meus cuidados, devo poder fazer o pedicure normal, que não sei o preço. Aline do céu, não quer vir trabalhar em Portugal?

Voltei no Pingo Doce atrás de Palmiers. Passei a receita para a Brenda. Se ela fizer para vender, aviso vocês. São deliciosas.

E o pessoal da MEO veio instalar o roteador sem fio. Mas ainda não consegui usar o WIFi. Todos os serviços da empresa são concluídos remotamente e depois recebo uma mensagem de SMS. A do telefone fixo já chegou com o número do mesmo. Para quem que eu vou ligar?

Insisto, quero usar meu Wi-Fi. Ponho as senhas que os instaladores falaram, não cabe. Tento ir pra frente sem elas, não deixa. Digo que esqueci a senha, o sistema diz que tudo vai ser cancelado. E agora?

Volto a olhar o roteador e vejo nele duas senhas simples e idênticas que parecem do administrador. Resolvo tentar e... Voilá! Segue adiante. Mas que senha é essa que tenho que colocar agora? Coloco uma coisa, depois outra, e mais uma, até que, de repente ele vai adiante. Mas com qual senha? Ó meu Deus. Não vou conseguir.

Veja bem, estamos sozinhos na solidão de nossas casas, mesmo estando rodeados de pessoas. Para que não nos sintamos sozinhos é necessária a conexão com as pessoas. Dentro do seio familiar, se não converso, estou só. Num grupo de amigos, se fico isolada, estou só. Se tenho vizinhos, mas nossa comunicação é só de bom dia ou boa tarde, me sinto só. Posso morar numa cidade cheia de gente ou no campo, se não me conecto com o lugar e com as pessoas, estou só. Estou conectada com o lugar, isso me enche de paz. Mas sou uma pessoa falante, necessito comunicar-me com as pessoas. E com a Graça de Deus, tenho muitos amigos e parentes, que também são amigos, queridos. E estou sempre conectada com muitos. Mas preciso da internet. O mundo ficou bem menor com as comunicações virtuais. Alguns dizem que isolam. Eu acho que tudo depende do uso que se faz. Ela é companhia para quem está só. Mas se você está acompanhado, esquece o celular e desfrute da companhia.

Mas achei uma companheira na janela. Hoje ela ficou para fora, ontem estava dentro.

No SMS que recebi da operadora consta um número de telefone. Vou ligar. Atende um, passa para outro. O outro pede minha identificação, passa para outro que já sabe quem sou e finalmente passa para o Tiago, que é quem vai me atender.

São Tiago, teve uma paciência danada, faz isso, O que? Ah.Tá. É esse cabinho do lado direito? Sim, é esse. Agora faz aquilo. Um momento. Já fiz. Nem sei quanto tempo fiquei nessa peleja. Até que ele pediu para conferir se o chip estava no lugar correto porque ele estranhou que não aparecia o sinal do meu roteador para ele.

Tirei o benditinho do lugar que estava, dentro de um cartãozinho um pouco maior. Eu vi que o instalador teve dificuldade de instalar. Colocou-o e tirou-o do lugar umas três vezes. Eu tirei, e le caiu do cartão maior. Minhas mãos de senhora já não tem mais a mesma destreza de antigamente. Não consigo nem segurar o chip direito. Vou tentar coloca-lo sem o cartão maior.Tem duas fileiras de conectores que são os leitores do chip. E ele insiste em entrar por baixo de uma delas. Arrumo tudo. Religo o roteador sem fio, e falo com o Tiago. Ainda não. Estava já exausta. Na quarta tentativa pedi ajuda ao meu anjo da guarda, pois seria a última no dia. Consegui. O Tiago viu o sinal de meu roteador e já fez as conexões. Pediu para eu conferir primeiro no notebook e depois no celular. Enfim, estou conectada.

_ " Tiago, se você estivesse aqui ia ganhar um abraço. Muito obrigada por sua paciência e ajuda. E sinta-se abraçado."

O Tiago agradeceu e pediu que eu avaliasse seu atendimento. Só pode ser 10. Ela não desistiu de mim, não se irritou, teve a maior paciência do mundo. Tiagão, 10 pra você. Dá tempo de publicar algo ainda? Sim, dá, o texto está pronto, só faltam as fotos.

Já vou dormir mais feliz, a noite voou com tantas emoções...

QUARTA

Hoje é dia de faxina, lavar roupa e ficar em casa. Porém mais leve e feliz porque sei que não estou sozinha.

Como deitei tarde, levanto, coloco a primeira roupa na máquina e volto a dormir enquanto ela se lava.

Quando levanto, ela ainda não terminou de bater. Mas, depois de realizadas as rotinas matutinas, já posso estender a roupa. O varal fica ao lado da casa, e o chão é de terra. Se deixar cair alguma peça, já era, tem que lavar de novo. Então tiro tudo com cuidado da máquina, dobrando as peças e colocando no balde. As peças íntimas deixo para secar no beiral da janela, dentro de casa. E vou estendendo uma a uma com todo o cuidado.

Volto para o café da manhã, varrer a casa, higienizar o banheiro e depois passar o esfregão em toda a casa. A roupa de cama e banho já está em faze de encerramento na lavagem. Vou verificar se as roupas mais finas já secaram. O que? Até a roupa jeans está seca. O tempo é quente, seco, e com muito vento. Recolho tudo, fazendo duas viagens para dentro de casa porque não levei nenhuma bacia ou balde para acomodar a roupa. Sem problemas. É bem perto.

Agora vou providenciar o almoço. Achei bacalhau em lata. Vou fazer de novo tagliarini porque diminui a temperatura do frigobar e na verdade, acabei desligando. E molhou as caixas que lá estavam. Aproveitei para limpar também o frigobar. Mas transferi parte da massa para um saquinho e o restante, vou cozinhar e fazer alho e óleo, mais o restante do agrião e coentro que comprei ontem numa quitanda. Eles gostam bastante de coentro por aqui. Que bom!

A Brenda achou um absurdo, na terra do bacalhau, eu comer bacalhau de latinha. Eu achei o máximo achar bacalhau em lata para comer sozinha, numa porção mais que suficiente para duas refeições.

Estendo a roupa que ainda está na máquina e vou ao blog. Antes de terminar a publicação, a roupa já está seca. 

Agora vou tentar mais um método para o banho. Ainda não me achei. Ligo o aquecedor à gás, sento na privada, viro a cabeça para  o lado da banheira e lavo o cabelo. Enrolo a toalha e deixo encher a banheira. Desligo o gás. E volto ao banheiro (o aquecedor fica na cozinha) para o banho. Até agora, achei o melhor método. Mas vou precisar de uma toca de cabelo. Imagino que ficar com o cabelo molhado, no inverno, enquanto tomo banho, vai congelar. Talvez eu pergunte à dona Rosalita, quando chegar, na segunda, como se toma banho por aqui.

Ainda não tive tempo nem de olhar a Netflix. Bom sinal, estou mantendo-me ocupada.

QUINTA

É dia de voltar à Beja, hoje o Sr. Jorge está disponível. Na terça ele estava em Lisboa e quem me levou e trouxe de volta foi o Sr.Jacinto, e já ficou por 10 euros cada viagem. Melhor nem pensar em reais. E vou precisar mesmo de um carro. E talvez um ventilador. kkkk

Vou com uma lista de afazeres. 

Primeiro: comprar porcas para o assento do vaso sanitário.

Depois: Pedicure e manicure.

A Anna Grazina é uma profissional muito competente. O sistema deles de cuidados com as unhas é completamente diferente. O serviço de pedicure foi mesmo como de uma podologia. Mas até os pelos dos dedos ela tirou.  Tira os excessos de pele com lâmina, confere o entremeio dos dedos, se tiver calor, ela retira (não era o meu caso). E meu problema maior, juntar pelo por baixo dos cantos das unhas dos dedões. Fora um canto de unha externa do dedão esquerdo que incomoda e deixa o dedo doendo quando encosta em algo. E como eu tinha mexido para aliviar, estava machucado. Mas meu pé saiu novinho.

Já o serviço de manicure eu não gostei muito, ela iniciou e depois passou para sua assistente. O que não gostei é que eles usam também o motorzinho para lidar com as cutículas, e como tenho a pele fina, encostou um pouquinho mais e já machucou. O que aconteceu com meu dedo anelar direito. Mas tenho ainda o remédio que usei para a Tatoo. Vai resolver. Em compensação ela me ensinou a usar óleo de amêndoas doces para hidratar a cutícula e assim amolecer a carne que forma sob os cantos dos dedos. Vou comprar hoje mesmo. Melhor que hidratantes e bem mais barato.

Passei na farmácia para perguntar sobre um remédio, à pedido de um querido amigo, mas não obtive bons resultados.

Almocei por seis euros uma bandeja completa, menu do dia, onde você escolhe entre diversas opções. Escolhi o empadão de frango. Ou atum? Não consegui definir pelo sabor. Lamentável! Um pavê de sobremesa. A Sopa de entrada e a água não saõ elegíveis, no máximo a temperatura da água, que escolhi natural.

Depois fui ao Banco e disse para a Anna que visitarei a cidade dela no fim de semana. Conseguimos resolver os assuntos pendentes, e agora já estou com a documentação completa para a entrevista em Faro, no dia 23.

Dali vou para a Rodoviária. Fica só a uns 600 metros. Só que estou de sandálias por causa do serviço de pedicure. E como ela passou hidratante, meu pé fica escorregando. E o calçamento é todo de pedras, o que não ajuda.

Sei que perto da Rodoviária está a estátua do Antonio Raposo Tavares, ilustre personagem de nossa história, nascido em Beja, como comunicou-me minha amiga Viviana. E lá está ele, num local um tanto afastado do centro histórico, mas que combina com seu status de Bandeirante, desbravador, ainda mais perto da Rodoviária, ele que tantos caminhos abriu na exploração do interior brasileiro.

Fui comprar as passagens para Serpa, mas aproveitei para comprar também as de Faro. Ida e volta para ambos os lugares, totalizou 38,30 euros. Dependendo do motorista de táxi que uso, é mais barato ir e vir de Serpa, a 35 quilômetros de distância do que ir para o Monte Januário. Ida e volta saiu por 12,90 euros. 

O atendente da rodoviária e muito alegre e comunicativo. Depois que comprei as passagens, lhe fiz este elogio, comentando que não é muito comum este comportamento por aqui. Em geral, as pessoas são sérias, principalmente nos serviços públicos. Ele diz que trabalhou 20 anos em atendimento ao público, e que ele precisa ser cordial e sorridente para que a pessoas do outro lado possa se abrir. Lamenta a necessidade do vidro que o separa do cliente, mas entende co mo uma medida necessária de segurança, já que eles só recebem as passagens em dinheiro. Mas também podem ser adquiridas no site, como ele me explicou, e eu já até tinha sondado na internet. Mas quis ir pessoalmente para saber onde fica a rodoviária e aproveitar para conhecer mais uma parte da cidade.

Agora vou me distanciar um bocadito mais dos lugares conhecidos. Vou usar outro Pingo Doce, o do seminário. E vou olhando as casas pelo caminho, já um pouco diferentes. Encontro até o Posto de Saúde.

Atrás do mercado o Seminário.

E no mercado compro outra guloseima, mini cenouras. Mas na verdade são bolinhos, em forminhas de papel, mas não como o nosso bolo de cenoura. Tem uma consistência diferente, e são deliciosos.

Aliás, acho que esta rede Pingo Doce começou com estes que chamam de Pequenas Delícias. Têm uma grande variedade de confecção própria e realmente são deliciosos. Palmiers... mini cenouras... o que falta eu experimentar? Mas também compro coisas saudáveis como cerejas frescas, morangos e miolo de alface. Lembrei-me do Roberto, ele sempre se perguntava porque os produtores de alface não vendiam a produção com os pés mais jovens, e as folhas verdinhas claras e macias. Eu dizia que era para ter mais quantidade e ele justificava que podiam vender ao mesmo preço. Acho agora que tem mais gente que pensa como ele. E eu comprei os miolos de alface. E frios. O lombo é delicioso também. E comprei também u salsichão que ainda não provei. E manteiga magra, que não coloquei na geladeira e ficou extremamente cremosa. Vinho Douro, queijos...

Descobri hoje, conversando com o Sr.Jorge, no retorno, que minha casa é de taipa. Que legal. As paredes grossa impedem a troca da temperatura externa. Pelo menos no verão, aqui dentro é fresco, mesmo eu tendo que deixar as janelas de vidro fechadas por causa das moscas, ou justamente por isso. Espero que no inverno também seja assim.

Já é fim de tarde. Comer. Tomar banho. Escrever. Ler. E dormir tarde de novo porque a publicação de hoje foi sobre o final de semana, com muitas fotos e aventuras.

SEXTA

Hoje eu tirei pra ficar em casa. Só blog, atualizar a árvore genealógica de minha família, preparar a carne moída que comprei ontem, fazer a mochila para amanhã, ler um pouco, tomar meu banho e finalmente, assistir à Netflix.

Como acordei já eram 10h 15, agora já são 14h345 e ainda estou no blog. kkkk Deixa eu colocar logo as fotos e publicar para dar sequência à vida.

Beijos. E até segunda com novidades sobre Serpa, seu Castelo e seu Festival de Verão.